Enviar por e-mail

Enviar notícia por e-mail
Exemplo: nome@example.com. Para enviar para mais de uma pessoa, separe os endereços por vírgulas
Informe o seu nome
Informe o seu endereço de e-mail
Os comentários serão incluídos na mensagem

Comunicar erros

Comunicar erro na notícia
Informe o seu nome
Informe o seu endereço de e-mail
Descreva o que há de errado com esta notícia

Santa Filomena (PI) comemora hoje 145 anos de criação

Imagem: José Bonifácio/GP1PORTAL DA CIDADE: Vista panorâmica do Cais do Rio Parnaíba, em frente à cidade de Alto Parnaíba (MA)(Imagem:José Bonifácio/GP1)PORTAL DE SANTA FILOMENA: Vista panorâmica do Cais do Rio Parnaíba, em frente à cidade de Alto Parnaíba (MA)
Santa Filomena é uma pequena cidade do estado do Piauí. Localiza-se na microrregião do Alto Parnaíba Piauiense, mesorregião do sudoeste piauiense, distante 966 km de Teresina, via Gilbués. O município tem cerca de 6.180 habitantes (IBGE 2009) e 5.285,447 km², com densidade de 1,2 habitante por quilômetro quadrado.

Seu território possui um alto potencial agropecuário, sendo um dos maiores produtores de soja, arroz, milho e algodão do cerrado piauiense. O IDH é de 0,618 (PNUD/2000), com PIB de R$ 38.112 mil (IBGE/2005) e renda per captita nominal anual de R$ 6.058,00 (IBGE/2005).

A cidade é banhada pelo Rio Parnaíba, divisor com o município de Alto Parnaíba (MA). Dispõe de vários balneários naturais, desfrutados mais frequentemente nas férias de julho pelos seus moradores, geralmente por estudantes que moram ou estudam fora.

No mês de agosto são comemorados os Festejos da Padroeira da cidade que tem o mesmo nome, ocasião em que a pacata cidade chega a receber visitantes atrás do concorrido evento religioso.

Em Santa Filomena está localizado o ponto mais ocidental do Piauí, numa curva do Rio Parnaíba, no lugar denominado Apertada Hora, na divisa com o Maranhão.

Imagem: José Bonifácio/GP1CENTRO HISTÓRICO: Avenida Barão de Santa Filomena, Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores(Imagem:José Bonifácio/GP1)CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE: Avenida Barão de Santa Filomena, Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores
A narração dos fatos notáveis ocorridos em Santa Filomena começa em 1854, com a criação do Povoado. Dois anos mais tarde, consequentemente em 1856, a povoação foi elevada, sob o aspecto eclesiástico, à categoria de Freguesia e Distrito.

No entanto, há duas versões sobre a origem do município de Santa Filomena. Pereira da Costa, em sua célebre Cronologia Histórica do Piauí, relata o seguinte sobre o assunto: "A vila de Santa Filomena é uma das mais modernas povoações do Piauí, pois a sua origem remonta apenas ao ano de 1854".

Descoberto o lugar em que atualmente está situada a cidade, José Antonio Barreiros de Macedo convidou diversos parentes e a outras pessoas para fazerem uma entrada de reconhecimento no local, que até então era habitado por índios da nação cheréns, e começou a levantar algumas moradias e fundou uma Capela (pequena Igreja).

A outra versão dá conta de que, no fim do Século XVIII e princípios do Século XIX, houve várias incursões ao território do atual município de Santa Filomena, sendo a última feita pelo patriota José Antonio Barreiros de Macedo, que teria transposto a Serra do Riachuelo, vindo até as margens do Rio Taquara, percorrendo outras partes do município, sem, contudo, deixar vestígios de fundação de qualquer estabelecimento pecuário ou de outra natureza.

Imagem: Gilberto Lustosa de MatosClique para ampliarJOSÉ LUSTOSA DA CUNHA, primeiro e único BARÃO DE SANTA fILOMENA (02/07/1827 - 12/04/1901)(Imagem:Gilberto Lustosa de Matos)JOSÉ LUSTOSA DA CUNHA, primeiro e único BARÃO DE SANTA FILOMENA (02/07/1827 - 12/04/1901)
Anos depois, o coronel José Lustosa da Cunha (mais tarde Barão de Santa Filomena), que então residia na Fazenda Contrato, no município de Gilbués, partia dali, já no Século XIX, acompanhado da mulher, parentes e escravos e seguiram o mesmo roteiro de José Antonio Barreiros de Macedo. Fixou residência no local, onde hoje é a sede do município de Santa Filomena, fundando uma pequena aglomeração humana. Com o passar dos meses, outros moradores foram chegando e construindo suas casas, sendo que em pouco tempo já apresentava características de um próspero povoado.

O rico criador de gado, José Lustosa da Cunha, penetrou na região em busca de terras para criatório. Essa expansão era conseqüência dos domínios políticos de sua poderosa e ilustre família. Vislumbrado com o potencial das terras, às margens do majestoso rio Parnaíba, um belo e aprazível lugar, deu início à construção das primeiras casas. De acordo com a tradição, o nome da povoação foi dado pelo próprio Lustosa da Cunha. O povoamento iniciou pela construção da casa-grande, onde hoje residem as Freiras.

Criou-se, então, o Município de Santa Filomena, sob a denominação atual, pela Resolução Provincial nº 586, de 25 de agosto de 1865, assinada pelo governador da Província, Franklin Américo de Meneses Dória (1864-1866).

A comarca de Santa Filomena sofreu várias mudanças, a saber: Extinta em 1892; restaurada em 1893; novamente extinta em 1896; restabelecida em 1914; e, outra vez, extinta em 1922. Em 1925 a Comarca foi restaurada mais uma vez, sendo integrada pelos municípios de Corrente, Gilbués e Parnaguá. Finalmente, pela Lei nº 96, de 21 de junho de 1937, a Comarca de Santa Filomena foi reduzida ao Distrito de igual nome, desanexando as demais situações que perduram até os dias atuais.

Ao completar mais um ano de emancipação, temos a certeza de que o balanço de conquistas deixa um saldo positivo, através do aprendizado constante, utilizado por cada cidadão filomenense, para dar forma à sociedade que todos desejam.

Que Santa Filomena continue bonita no espírito de cada morador, buscando em todo o tempo incrementar seu progresso e desenvolvimento, de maneira democrática e inovadora, educando nossas crianças, dando oportunidade para nossos jovens e qualidade de vida para nossos idosos. Assim, o futuro dessa gente será promissor, haja vista que muitas sementes ainda irão germinar.

Parabéns ao nosso querido município de Santa Filomena, pela passagem do seu 145º aniversário. Parabéns aos munícipes, que sonham e que buscam projetos, aceitando o desafio de fazer o melhor, sempre com muita determinação.

Keywords:


Escrito por José Bonifácio em 25/08/2010 às 05h40
Atualizada em 25/08/2010 - 08h32

Leia mais no blog do(a) José Bonifácio

Avalie:
Média de avaliações:
0 votos
Comente esta reportagem
Comentário
Escreva aqui seu comentário
De onde você é?
Escolha um Estado
Escolha sua Cidade
Quem é você?
Informe o seu Nome
Informe o seu E-mail!

Comentários (14)

  • Dr. José Vieira Camelo Filho-Zuza, São Pedro-SP disse:
    Deixado em 21/11/2012 às 16h31

    RIBEIRA DO PIAUÍ, APELIDO QUE APAGOU A HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO: ESTA TRAPALHADA TEM QUE SER REPARADA.
    Dr. José Vieira Camelo Filho-Zuza
    Localizado a 377 km de Teresina, na microrregião do Alto do Canindé, na bacia do Médio Parnaíba, o povoado do Espírito Santo fazia parte dos municípios de São João do Piauí, e ao tornar-se município incorporou uma pequena parcela dos territórios do Canto do Buriti e de Socorro, conseguindo autonomia por meio da Lei Estadual no 4.810, de 14 de dezembro de 1995. Trata-se de um espaço geográfico abençoado por Deus e amoldado pela arte da natureza com seus talhados (falésia, barreiras ou cortes nas rochas), caldeirões e marmitas distribuídas nos vales dos riachos do Lambi, do Tabuleiro, da Luzia, no Ingongo e da Gaza, no Alto. Estes tipos de formações geológicas são encontrados em todo o território do Divino, mas a existência dos depósitos de salitre (sal da terra) nas imediações do Povoado de Salinas chama atenção da paisagem natural espiritossantense, sem contar que esta área historicamente foi produtora de arroz de vazante durante o período da estiagem (seca) entre maio e outubro. Estes locais apresentam um enorme potencial para o desenvolvimento do turismo ecológico e científico (realização de trilhas de lazer e visitas de estudos biológicos, ecológicos e geográficos). Portanto, fica a dica para a Secretaria Estadual de Turismo, Prefeitura e agentes ligados a este setor para a realização de estudos e análise da viabilidade econômica e turística destas áreas.
    Porém, o pequeno município de Espírito Santo, hoje denominado Ribeira do Piauí, vem enfrentando dificuldades de ordem política, econômica e administrativa desde a sua fundação. Desafios comuns à maioria dos municípios criados no mesmo período, seja no Piauí ou em qualquer outro estado do País. Daqui em diante, todos eles vão enfrentar uma série de limitações, sobretudo de ordem financeira, assim como a falta de recursos humanos e técnicos. Os prefeitos eleitos em 7 de outubro corrente terão que encontrar saídas criativas para superar tais dificuldades, e desta forma cumprir as propostas e projetos apresentados durante a campanha eleitoral. Lembrando, que apesar do curto período da história destes municípios, eles contraíram enorme somatória de problemas acumulados ao longo do tempo, sem falar das novas demandas que surgirão. O Espírito Santo se inclui nesta lista.
    Os descuidos com o nosso município iniciaram-se com sua autonomia. A primeira imprudência foi trocar seu nome original por um apelido, fato que desagradou tanto moradores locais quanto habitantes de seus arraiais. O município se formou a partir da junção de 3 povoados: Salina, na porção sul, Barriguda na região central (ambos situados nas margens do rio Piauí ), e o Espírito Santo, ao norte. Localizado no interior, a 6 km do leito do citado rio, o Espírito Santo foi escolhido para ser a sede municipal por ser o mais populoso.
    Na verdade, no seu primeiro mandato, o prefeito Solano Silva pretendia transferir a sede do município para o povoado da Barriguda, daí o Espírito Santo voltaria à condição de povoado com seu nome original. Tanto que, o ex-vereador Erivaldo Cronemberger elaborou um projeto com o objetivo de que o nome originário do Espírito Santo voltasse a ser adotado. Este projeto, aprovado na Câmara, acabou vetado pelo prefeito. No seu segundo mandato, Solano não teve condições políticas e administrativas para cuidar desta questão, isto em decorrência de problemas com a Justiça relacionados com malversação administrativa. Destacando que, durante os dois mandatos (8 anos), o prefeito não teve moradia fixa na sede do município, mas mandou construir uma casa no povoado da Barriguda.
    A retomada do nome original poderia ter sido resolvida na administração que se seguiu na pessoa do prefeito Jorge de Araújo Costa. Por ser natural do Espírito Santo, certamente não tinha interesse na mudança da sede municipal preconizada anteriormente, mas faltou vontade ou coragem para retornar o nome original. Infelizmente não houve interesse e nem vontade suficiente e a volta do seu nome é uma bandeira que continua erguida e tem que fazer parte da agenda dos problemas que precisam ser resolvidos.
    Doutor, como é o conhecido Jorge de Araújo Costa, terminou afastado do cargo um ano antes de completar o seu segundo mandato por conta da acusação de administração fraudulenta. Frente a estas dificuldades, a atual prefeita Irene Mendes da Silva Cronemberger, terá muito trabalho pela frente.
    A prefeita Irene tem que se diferenciar dos antigos prefeitos e colocar o Espírito Santo nas páginas do progresso e transparência política, nisso inclui-se o retorno do nome originário do município, cuja alteração está no nível de um verdadeiro caso de polícia, sendo um marco negativo de sua história. Sem contar que a prefeita vai se deparar com a difícil problemática econômica, já que o município não dispõe de receitas para o seu custeio e depende fundamentalmente dos recursos provenientes Fundo de Participação dos Municípios -FPM para sua manutenção.
    Quando a Assembleia Legislativa votou a criação dos municípios, a alteração de nomes certamente não era imposição sine qua non. No frigir dos ovos, foi um "escolho" individual para atender interesses mesquinhos sem levar em conta os valores históricos e o respeito aos seus habitantes. Isso tem que mudar.

  • Pedro Nogueira Lima, Parauapebas-PA disse:
    Deixado em 10/11/2012 às 01h01

    Salve Filomena do meu coração!!! Te amo de montão!!!

  • Emmanuel Amaral, Brasília-DF disse:
    Deixado em 28/11/2011 às 19h13

    Parabéns Santa Filomena!!!

  • NATANAEL VIEIRA DE SOUSA, Palmas-TO disse:
    Deixado em 26/10/2011 às 15h31

    eu amo santa filomena de coração amigos
    mais não suporto esse tipo de gemte

    que só sabe emgana o povo

    vcs seus politicos

  • pedro queiroz, Santa Filomena-PI disse:
    Deixado em 05/06/2011 às 20h05

    muito legal esse jornal...

  • teresinha lustosa, Avelino Lopes-PI disse:
    Deixado em 24/01/2011 às 22h13

    jose da cunha lustosa meu tio

  • Marco Sholl de Mello, Maricá-RJ disse:
    Deixado em 03/11/2010 às 20h56

    Gostei muito da reportagem em questao.Gostaria de saber, qual destino farei, para conhecer Santa Filomena.Pretendo estar em Fortaleza no mes de maio de 2011..

  • KARDEC,O ILUMINADO, Belo Horizonte-MG disse:
    Deixado em 10/09/2010 às 15h15

    145 anos de atraso,que lugararejo difícil!Agente as vezes passa uma década ou duas sem ir a tal cidade e quando vamos a encontramos do mesmo jeito de quando saímos,sem nem um progresso,sem nem uma certeza de uma melhora no presente e no futuro.Parece até que por ai o tempo parou.E tudo isto é culpa de um povo submisso e acomodado.

  • Carlos Nogueira, Palmas-TO disse:
    Deixado em 26/08/2010 às 13h20

    Parabéns cidade de Santa Filomena !!!

    Saudades de minha terra querida, abraços a todos ...

  • filomenese, Palmas-TO disse:
    Deixado em 26/08/2010 às 11h52

    parabéns a santa filomena,
    mais o q vai ter de especial
    pra comemorar essa data em seu veredor Bonifácio ................

  • filomenense, Santa Filomena-PI disse:
    Deixado em 25/08/2010 às 10h38

    SRA MARIA A PREFEITURA FI TORCADAO TELHADO E REFORMAD,A SOMENTEA PINTURA FICOU FEIA ,MAS NÃ OESTA CAINDO OS PEDAÇOS NÃO, A SENHORA PRECISA IR ATE A CIDADE ,PARECEQUE FAZ UM TEMPINHO QUE NÃOA NDA POR AQUI NÉ.ABRAÇOS

  • Renato, Brasília-DF disse:
    Deixado em 25/08/2010 às 10h29

    Parabéns Santa Filomena!!!!

    Terra querida.
    Um dia ao teu ventre voltarei.

    Abraços a todos os filomenenses!!!!!!!!!

  • Muriel Avelino, Palmas-TO disse:
    Deixado em 25/08/2010 às 09h19

    Parabéns Bonifácio pela matéria.È muito importante conhecer a fundo a história de Santa Filomena, inclusive para as novas gerações que tem tudo para crescerem, buscando conhecimento para que possam prosperar sendo assim os regentes do futuro.Não somente ás criticas politicas que se ver por aqui, mas sim buscar unir forças para que possam cobrar, não somente em época de elição, mas sim a todo tempo, cobrar desenvolvimento que para isso somente com apoio dos governos estaduais e federal.Ter boa vontade, ter consciência do dever de cada cidadão e sim procurar crescer junto com os novos tempos, com as novas informações, com o mundo moderno que esta a cessível a todos, independentemente de cor, credo, raça, situação financeira.Os tempos são outros e temso que buscar unidos as beficíes para a população, sem crédulos politicos e sim com a união do povo de que ama realmente essa terra, sem interesse particular ou outro qualquer.Aos filomenenses parabéns, por muitas conquistas realizadas, embora sejma poucas aos olhos do ignorantes,mas realmente houve conquistas, mesmo faltando ainda mais para realizar, mas repito, isso acontece com ajuda de todos, unidos em prol de uma comunidade mais fraterna, amiga, e que realmente busca um futuro promissor.Abraços a todos.Parabéns, que Santa Filomena abençõe cada cidadão com seu manto iluminando.PARABÉNS!!!!!!!!!

  • maria, Teresina-PI disse:
    Deixado em 25/08/2010 às 08h56

    parabéns a nossa cidade!!uma pena que a cada dia está seacabando no tempo pelo menos na aparência por falta de interesse dos governantes em geral que não se importam com ela, cidade de exemplo de fartura ,onde um dos melhores solos do piaui está ai, agora desenvolvimento que é bom nada. é a cidade do já teve, hoje nem um mercado existe, mas tbm pra vender o que? qual incentivo as pessoa tem para produzir verduras , frutas , hortaliças de modo geral para um feira, que tem desde um tempero até a carne.um cidade que tem tanto potencial para negócio e no entanto só os forateiros tem vez, vem compra ou invade uma terra produz e com o passar do tempo vai embora. os filhos ficam ,mas esse não dão valor a grande cidade produtiva de grande potencial, com tudo para ser uma cidade desenvolvida mesmo longe da capital.todo e qualquer produtor tem interesse de ter uma terra por ai.os filhos deixam que levem tudo que temos. olha só o aspecto desta cidade, uma prefeitura caindo aos pedaços , apenas maquiada com uma pintura feia, acabada... aqui é um pequeno protesto .aproveitem e votem em alguém que possa olhar por nossa cidade,está chegando o dia da eleiçaõ foi algum candidato no festejo?qdo tiver mais próximo da eleiçao, chove candidato de véspera,depois somem novamente.abraço e parabéns pela reportagem.

busca no blog

arquivo