Enviar por e-mail

Enviar notícia por e-mail
Exemplo: nome@example.com. Para enviar para mais de uma pessoa, separe os endereços por vírgulas
Informe o seu nome
Informe o seu endereço de e-mail
Os comentários serão incluídos na mensagem

Comunicar erros

Comunicar erro na notícia
Informe o seu nome
Informe o seu endereço de e-mail
Descreva o que há de errado com esta notícia

Vereador de Porto que já foi preso por fraude em concurso público trabalha e mora em Brasília

Os dois mil quilômetros que separam a cidade de Porto (180 quilômetros de Teresina, no Baixo Parnaiba) do Distrito Federal não são obstáculos para o capitão aposentado da PM de Brasília e advogado com escritório montado na capital federal Marcos da Costa Guimarães, 35 anos, permanecer com o diploma de vereador do município piauiense, conseguido na última eleição pelo PSB. Para completar, Guimarães foi eleito vice-presidente da Câmara, sendo protagonista de uma situação que não tem precedentes no país porque não consta, pelo menos oficialmente, que seja um ser que tenha vindo ao mundo com o excepcional poder da onipresença.

Segundo denúncia de cidadãos de Porto, maltratados nos últimos tempos pela falta de compromisso de alguns políticos, o "capitão" Marcos participa de uma sessão por mês vindo de avião de Brasília onde reside declaradamente, faltando aos três outros encontros mensais dos vereadores.

A mesa da Câmara não se manifestou até agora sobre a situação, considerada inédita no país. Marcos exerce atividades profissionais diariamente no Distrito Federal, conseguindo aposentar-se da PM graças a sua eleição em Porto, fato que deixa revoltados muitos cidadãos que não entendem por que uma providência ainda não foi tomada.

Quando estava na ativa como tenente da PM do DF, o hoje vereador de Porto foi acusado pela Polícia Federal de particicipar de um gigantesco esquema de fraudes em concursos públicos, como mostra matéria publicada na época por um jornal do Mato Grosso cuja íntegra é a seguinte:

Fraude em concurso leva 9 à prisão

A Polícia Civil desbaratou no último domingo uma quadrilha que fraudava concursos públicos em todo o país. Em Cuiabá, nove pessoas foram presas durante a Operação Galileu, determinada pela Justiça de Brasília e desencadeada durante a prova do concurso para agente penitenciário federal, realizada no domingo em todo Brasil, inclusive Cuiabá.

A quadrilha atuava desde 1996 e vendia gabaritos de concursos públicos ou a promessa de que os compradores teriam os nomes na lista dos aprovados. No país, 104 mandados de prisão e busca e apreensão foram expedidos. Até o final da manhã de ontem, 31 ainda faltavam ser cumpridos.

Entre Cuiabá e Brasília, 73 envolvidos já haviam sido detidos. Na capital, a operação envolveu 112 policiais e seis delegados. Em Mato Grosso, foram cumpridos 13 mandados de prisão e quatro de busca e apreensão. A Polícia Federal também participou dos trabalhos.

Imagem: DivulgaçãoVereador Marcos da Costa Guimarães(Imagem:Divulgação)Vereador Marcos da Costa Guimarães
De acordo com o delegado titular do Coxipó, Wilson Leite, o mapa de atuação da quadrilha é grande e cheio de ramificações - o esquema começou a ser desmontado pela Polícia Civil de Brasília.

Inicialmente, as investigações levaram ao tenente da Polícia Militar do Distrito Federal, Marcos da Costa Guimarães, e aos principais articulares da fraudes: o funcionário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e cedido para a Câmara de Deputados, Hélio Ortiz - acusado de liderar a quadrilha e que até ontem pela manhã estava foragido -, e o Policial Civil também do DF, José Roberto de Oliveira.

A partir daí, descobriu-se a ligação entre o Hélio Ortiz e Jorge Nascimento Dutra, Patrícia Gomes Silva e sua filha Carolina Ortiz, articuladores da quadrilha em Tocantins (TO). As investigações prosseguiram até chegar a Mato Grosso, no nome de Benedito Aquilino da Silva, funcionário da Secretaria de Infra-estrutura de Mato Grosso (Sinfra). “O Benedito mantinha contato direto e estreitas ligações com o Hélio”, comentou o delegado.

Conforme Leite, com Benedito foram apreendidos extratos bancários, celulares, agendas contendo anotações e cartões de número de inscrições, valores e nomes de candidatos, fotografias, passagens aéreas para Brasília e documentos que comprovam a ligação com integrantes do esquema no Distrito Federal. Entre os documentos havia o comprovante de um depósito em nome de Ortiz.

Além de Benedito Aquilino, atuavam como contatos da quadrilha em Mato Grosso Jeancarlos da Silva Castrilon e o capitão PM Marcos Divino Teixeira da Silva, segundo as investigações.

Os demais são os compradores: André Artur Ferreira de Almeida, os irmãos e fiscais da Secretaria de Fazenda (Sefaz) Adriano e Anderson Garcia da Costa, Daniele Leite da Silva Geraldine e seu marido Gustavo Ortiz Ribeiro (sobrinho do Hélio Ortiz), Graciele Mesquita Moraes, Guilherme Ferreira de Almeida, Márcio Sérgio Leal Pacheco, Patrícia da Silva Lara Castrilon (irmã de Jeancarlos) e a vendedora de automóveis Kely Toralis Boyask. Os irmãos Adriano e Anderson Garcia também estão sendo investigados no concurso para fiscais da Sefaz realizado em 2003.

O concurso de 2003 da Sefaz chegou a ser colocado sob suspeita na época, após a divulgação de que Leonardo César Santos havia se classificado em primeiro lugar. Dez dias depois da divulgação da lista de aprovados, Leonardo foi preso em Brasília por fraude a um vestibular de Medicina. Na época, chegou-se a abrir um inquérito para investigar o caso, mas a polícia não conseguiu provas.

Jeancarlos da Silva e André Artur e Patrícia Lara ainda não foram presos. Conforme a PC, o capitão Marcus Divino estava em Brasília, onde acabou preso. Dos detidos, apenas dois faziam a prova: Márcio Sérgio Pacheco e Guilherme Ferreira de Almeida. Os demais estavam em suas casas ou mesmo na rua.

Keywords: porto, marcos da costa guimarães


Escrito por Feitosa Costa em 19/11/2013 às 14h02
Atualizada em 19/11/2013 - 21h56

Leia mais no blog do(a) Feitosa Costa

Avalie:
Média de avaliações:
0 votos
Comente esta reportagem
Comentário
Escreva aqui seu comentário
De onde você é?
Escolha um Estado
Escolha sua Cidade
Quem é você?
Informe o seu Nome
Informe o seu E-mail!

Comentários (3)

  • Francisco Carneiro dos Santos, Teresina-PI disse:
    Deixado em 21/11/2013 às 10h39

    O povo do piaui não aprende,o povo de porto pior ainda,esta não é a primeira vez que vereador que não mora cidade se elege,mas desta distancia toda é a primeira vez.

  • Aliande Léa, Teresina-PI disse:
    Deixado em 20/11/2013 às 12h07

    faço minhas palavras a de Paulo, esse povo quer mudar alguma coisa no Piauí?

  • paulo, Teresina-PI disse:
    Deixado em 19/11/2013 às 15h25

    Ora ! esse povo tá reclamando do que, eles elegeram o cabra vem e agora tão reclamando, nesse piauí acontece de tudo...ou povinho q não aprende.....agora é só eleger os Landins, Themistócles Sampaio, os Nogueiras, o boca de sapo Heráclito Fortes, os Maias, a família inteira dos Martins, o hipócrita do Robert Rios, os Moraes Sousa, essa raça que estar no poder há décadas no Piauí, o povo elege até o Tererê...esse povo quer mudar alguma coisa no piauí !!!!!

busca no blog

arquivo