Piauí

Advogado Lucas Villa e pai de Fernanda Lages concedem entrevista sobre relatório da Polícia Federal

A PF concluiu que Fernanda pode ter cometido suicídio ou tenha sofrido um acidente, mas descartou totalmente a tese de homicídio.

BÁRBARA RODRIGUES E FRANCYELLE ELIAS
DO GP1

Os pais de Fernanda Lages, Paulo e Josélia Lages, Cassandra Lages, tia da estudante e Lucas Villa, o advogado da família, participaram na tarde desta sexta-feira (21) de uma entrevista coletiva sobre a divulgação do relatório da Polícia Federal. O advogado Lucas Villa chegou a afirmar que acredita que um psicopata possa ter cometido o crime e que não vai desistir, até que ele seja preso.

Imagem: Bárbara Rodrigues/GP1Advogado e Família de Fernanda Lages(Imagem:Bárbara Rodrigues/GP1)Advogado e Família de Fernanda Lages

Bastantes abatidos, os pais de Fernanda participaram da coletiva, mas somente Paulo Lages falou, a mãe da universitária ficou todo o tempo calada e muitas vezes com a cabeça baixa. Paulo Lages agradeceu todo o trabalho realizado pela Polícia Civil, pela Polícia Federal, o Ministério Público e a população que acompanhou o caso. “Neste momento quero pedir a todos para deixar a família em paz, porque eles estão de luto e nesse tempo houve muita euforia sobre esse caso”, afirmou Lucas Villa.

Imagem: Bárbara Rodrigues/GP1Advogado Lucas Villa(Imagem:Bárbara Rodrigues/GP1)Advogado Lucas Villa

Segundo o advogado, a família ainda não recebeu todo o relatório da polícia federal e só depois de receber é que vão dizer que caminho a família deve seguir, mas novas diligências devem ser feitas. “Pelo pouco que vi, ao longo da investigação, a polícia federal conseguiu através de perícias descobrir bastantes coisas importantes e que não podem ser contestadas, mas ainda existem espaços em brancos que deixam muitas dúvidas e é esses espaços em brancos que vamos analisar e provavelmente iremos pedir novas diligências. O trabalho da polícia federal foi muito bom, como por exemplo, no caso da polícia civil, eles afirmaram que Fernanda se machucou antes da queda, o que nos causava dúvidas, porque se ela queria se matar e levou essa grande queda na escada, nós não acreditávamos que ela teria continuado mesmo assim, através da polícia federal foi descoberto que todas as lesões foram sofridas através da queda. Então o relatório tirou algumas dúvidas, mas ainda precisamos ver ele por completo para saber o que deve ser questionado”, disse Lucas Villa.

Família acredita em um psicopata

A tia de Fernanda Lages, Cassandra Lages, explicou que a convicção deles é que houve homicídio, mas que respeita quem acredita no suicídio, mas que mesmo assim vão lutar para mostrar os acusados.

Imagem: Bárbara Rodrigues/GP1Cassandra Lages(Imagem:Bárbara Rodrigues/GP1)Cassandra Lages

Lucas Villa ainda disse acreditar que quem cometeu o crime, seja um psicopata e que vai atrás dele. “Olha, na minha opinião, quem fez isso, para mim, é um psicopata. É uma pessoa que está aí. Zombando da família e que acha que nada vai acontecer com ele. Uma pessoa que mente muito e engana muito bem, mas que não vai se safar disso. Eu estou aqui, defendendo a família da Fernanda e eu não vou desistir até achar você, você que acha que se safou. Eu acredito que Fernanda subiu nesse prédio voluntariamente, assim como na mureta, só que a pessoa que estava lá com ela, poder ter empurrado ela, é um lado que precisa ser visto. Era alguém da confiança dela”, disse Lucas Villa.

O pai de Fernanda também disse que não irão desistir de pegar o acusado. “Eu como pai, um pai que conhecia a filha, tenho a convicção que ela não se jogou daquele prédio”, disse Paulo Lages.

Imagem: Bárbara Rodrigues/GP1Paulo Lages(Imagem:Bárbara Rodrigues/GP1)Paulo Lages

Família contesta alguns pontos

A família contestou alguns pontos do relatório, como o fato dela ter se jogado da mureta. Segundo Lucas Villa, a maioria dos suicidas quando se jogam de um lugar alto, não se jogam de cabeça, como se descem um mergulho, e sim com os pés no sentido do chão. De acordo com relatório, Fernanda Lages caiu de cabeça.

Outro fato é a questão dos vigias. A família não entende como tendo três pessoas naquele prédio no momento da queda de Fernanda, que ninguém tenha ouvido o barulho do impacto do corpo caindo no chão.

Imagem: Bárbara Rodrigues/GP1Josélia e Paulo Lages(Imagem:Bárbara Rodrigues/GP1)Josélia e Paulo Lages

“O seu Domingos, destrancou o portão umas 5hs da manhã, um pouco antes de Fernanda entrar. Porque ele fez isso? Não tinha nenhum empregado chegando. Ele disse que viu ela entrar, porque não a impediu?. Além disso tinha mais outras duas pessoas lá. O corpo de Fernanda caiu perto de onde estava dormindo um dos operários e ele também não ouviu nada. O outro disse que tava no banheiro. Houve a troca de turno, e em nenhum momento disseram que minha filha estava lá. Essas partes não foram esclarecidas”, disse Paulo Lages.

A família ainda pede que seja esclarecido quem era o homem que estava com Fernanda e Nayrinha em frente ao MPF um pouco antes da sua morte. Este homem nunca foi identificado e a família acredita que ele pode ser umas das chaves para o crime. “Quem é esse homem que nunca apareceu, que a Nayrinha nunca disse quem era ele. É alguém poderoso, que tem alguma influência política? Porque no dia do crime, o vigia Domingos disse para a Cassandra como era o homem que entrou com Fernanda no prédio e agora ele nega isso”, disse Paulo Lages.

Imagem: Bárbara Rodrigues/GP1Josélia e Paulo Lages(Imagem:Bárbara Rodrigues/GP1)Josélia e Paulo Lages

Curta a página do GP1 no facebook: www.facebook.com/PortalGP1




Link do texto:

Advogado Lucas Villa e pai de Fernanda Lages concedem entrevista sobre relatório da Polícia Federal
http://www.gp1.com.br/noticias/advogado-lucas-villa-e-pai-de-fernanda-lages-concedem-entrevista-sobre-relatorio-da-policia-federal-267483.html

© 2007-2016 GP1 - O Primeiro Grande Portal do Piauí. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.