Piauí

Aumento de casos da febre chikungunya no Piauí preocupam a Sesapi

De acordo com o Boletim da 27ª Semana Epidemiológica, divulgado nesta quinta-feira (13), houve um aumento de mais de 67%, quando comparado ao ano passado.

LUCAS MARREIROS

- atualizado

A Secretaria de Estado da Saúde do Piauí classificou como preocupante o aumento de casos da febre chikungunya no estado, no período de janeiro a 12 de julho de 2017. De acordo com o Boletim da 27ª Semana Epidemiológica, divulgado nesta quinta-feira (13), houve um aumento de mais de 67%, quando comparado ao ano passado.

Em 2016, foram registrados 1.776 casos. Já neste ano, foram 2.970 casos. Os casos foram detectados nos municípios de Teresina, São Raimundo Nonato, Parnaíba, Floriano e Oeiras.

Para o coordenador da vigilância ambiental do Estado, Francisco Moraes, o aumento também se deve a melhorias no diagnóstico, mas não deixa de ser alarmante. "Isso significa que o vírus se espalhou mais e como ainda há um número da população que está suscetível os casos aumentam. Mas esse aumento também vem da capacitação que os médicos tiveram para detectar os casos", explicou.

Francisco Moraes explicou ainda, que diferente da dengue, a chikungunya tem uma maior taxa de procura por atendimento médico. "É uma doença que maltrata mais que a dengue e as pessoas procuram mais as unidades de saúde", disse.

O coordenador ressaltou que se os casos estão aumentando também significa que o mosquito aedes aegypti ainda está em maior número. "Isso indica que o mosquito ainda está presente nos municípios. Ano passado, com a campanha, nós conseguimos reduzir. Mas as pessoas relaxaram e o mosquito aproveita", finalizou Francisco Moraes.

MAIS NA WEB