Piauí

Bacia do Parnaíba tem cinco blocos arrematados no Rio de Janeiro

O certame tem por objetivos ampliar as reservas e a produção brasileira de petróleo e gás natural, ampliar o conhecimento das bacias sedimentares, descentralizar o investimento exploratório no país.

A Bacia do Parnaíba teve cinco blocos arrematados na 14ª Rodada de Licitações da ANP, realizada hoje (27/9), no Rio de Janeiro. O bônus de assinatura total arrecadado com a concessão desses blocos foi de aproximadamente R$ 2,7 milhões. O investimento mínimo previsto para a bacia é de R$ 55,35 milhões.

Veja abaixo os blocos arrematados:

Bacia

Setor

Bloco

Estado(s)

Empresa/consórcio vencedor

Bônus ofertado pela vencedora (R$)

Parnaíba

SPN-N

PN-T-117

Maranhão

Parnaíba Gás Natural (100%)

307.581,00

Parnaíba

SPN-N

PN-T-118

Maranhão

Parnaíba Gás Natural (100%)

426.032,00

Parnaíba

SPN-N

PN-T-119

Maranhão

Parnaíba Gás Natural (100%)

597.721,00

Parnaíba

SPN-N

PN-T-133

Maranhão

Parnaíba Gás Natural(100%)

571.021,00

Parnaíba

SPN-N

PN-T-134

Maranhão

Parnaíba Gás Natural (100%)

783.803,00

Na rodada, foram oferecidos 12 blocos terrestres na Bacia do Parnaíba, sendo seis localizados total ou parcialmente no Estado do Maranhão e sete localizados total ou parcialmente no Estado do Piauí.

A Bacia do Parnaíba é classificada como nova fronteira, ou seja, possui áreas pouco conhecidas geologicamente e barreiras tecnológicas ou do conhecimento a serem vencidas. A bacia tem potencial para gás natural e conta com três campos de gás natural em produção e outros quatro na fase de desenvolvimento, no Parque dos Gaviões. Em julho, último dado disponível, a bacia produziu 7,8 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia.

Ao todo, na 14ª Rodada de Licitações, são ofertados 287 blocos em 29 setores de nove bacias sedimentares, totalizando área de 122.615,71 Km2. Além da Bacia do Parnaíba, primeira licitada, estão sendo oferecidos blocos nas bacias de Pelotas, Potiguar, Santos, Recôncavo, Paraná, Espírito Santo, Sergipe-Alagoas e Campos.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Governador Wellington DiasGovernador Wellington Dias

O certame tem por objetivos ampliar as reservas e a produção brasileira de petróleo e gás natural, ampliar o conhecimento das bacias sedimentares, descentralizar o investimento exploratório no país, desenvolver a pequena indústria petrolífera e fixar empresas nacionais e estrangeiras no país, dando continuidade à demanda por bens e serviços locais, à geração de empregos e à distribuição de renda.

"Eu comemoro este momento novo do Gás e Petróleo na Bacia do Rio Parnaíba, com mais 7 blocos no lado do Piauí na região entre Amarante, Floriano e Baixa Grande do Ribeiro, Ribeiro Gonçalves, especialmente nas proximidades do Rio Parnaíba. Esta boa notícia representa mais investimentos no Piauí, que já foram iniciados pelo Grupo Ouro Preto, Petrobras, brasileiros, e a GALP, empresa de Gas e Petróleo Portuguesa. O Grupo Ouro Preto já iniciou as prospecções e o resultado dos primeiros furos estão para ser anunciados em 2018 e 2019. E tenho fé em Deus da revelação de uma das maiores bacias de gás do Brasil", ressaltou o governador Wellington Dias.

O governador ainda ressaltou ainda a solicitação que fez a Lula, quando era presidente. "Lembro-me quando levei ao então presidente Lula o pedido de liberação de R$ 85 milhões para Agência Nacional de Petróleo para a pesquisa na Bacia do Parnaíba. Ele acreditou, e agora temos gás e Petróleo em mar e gás no território. Uma vitória do povo para o povo do Piauí que ajuda a crescer nosso PIB, e gerar emprego e renda", finalizou.

Mais conteúdo sobre:

MAIS NA WEB