Economia e Negócios

Banco Central sinaliza que juros podem cair para 8,25% ao ano

Banco Central vê impacto de 0,60 ponto percentual da alta dos combustíveis e da bandeira tarifária amarela no IPCA deste ano.

NAYRANA MEIRELES

- atualizado

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central sinalizou nesta terça-feira (01), que deve manter o ritmo de corte de um ponto percentual em sua próxima reunião, no começo de setembro, o que reduziria a taxa básica da economia de 9,25% para 8,25% ao ano.

De acordo com informações do G1, os integrantes do Copom concluíram, segundo a ata da última reunião, realizada na semana passada, que deve haver uma "possível flexibilização de mesma magnitude da adotada nesta reunião, mas que dependerá da permanência das condições descritas no cenário básico do Copom e de estimativas da extensão do ciclo".

"De forma geral, a magnitude da flexibilização [ritmo do corte de juros] continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação", explicou a autoridade monetária.

  • Foto: DivulgaçãoJurosJuros

Segundo o Banco Central, a estimativa do impacto total do reajuste dos combustíveis na inflação, que é medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), é de aproximadamente 0,45 ponto percentual, distribuídos entre os meses de julho e agosto, mas com maior concentração no mês de agosto.

Já o impacto da mudança na bandeira tarifária de energia elétrica de verde para amarela sobre a inflação do mês de julho, por sua vez, é de aproximadamente 0,15 ponto percentual. Ao todo, o reajuste de combustíveis, mais a bandeira tarifária amarela resultam em um impacto de cerca de 0,60 ponto percentual na inflação.