Piauí - Teresina

Bombeiros registram aumento no número de queimadas em Teresina

Já foram registrados 77 incêndios em vegetação neste ano. O dado da corporação mostra que 44% das ocorrências aconteceram somente no mês de julho.

LUCAS MARREIROS

- atualizado

O Corpo de Bombeiros do Piauí já registrou 77 incêndios em vegetações neste ano. O dado da corporação mostra que 44% das ocorrências aconteceram somente no mês de julho. Um dos casos registrados pelo relatório aconteceu nesta terça-feira (25), próximo ao acostamento da BR-343 e se estendeu até vegetação perto da Avenida dos Ipês.

  • Foto: Lucas Marreiros/GP1Diversos focos de incêndio foram encontrados no local Diversos focos de incêndio foram encontrados próximo ao acostamento da BR-343 e da Avenida dos Ipês

De acordo com o major Egídio Leite, Relações-Públicas do Corpo de Bombeiros, existem vários fatores responsáveis pelo aumento destas ocorrências neste período do ano. "Nós temos elevadas temperaturas, muito material para queimar, que é o mato seco, e isso oferece o combustível e 'aí' aparecem os incêndios. Temos também ventos que podem espalhar essas chamas", explicou.

O major explicou ainda que a população pode contribuir para evitar esse aumento evitando jogar lixo no mato, como, por exemplo, garrafas de vidro e restos de cigarro. "Evitar promover queima de restos de lixo, folhas, queimar para limpar o terreno. A população se abstendo da prática da queimada já daria uma ajuda significativa no enfrentamento deste problema", ressaltou Egídio Leite.

Em 2016, foram registrados 871 queimadas em vegetação, o que representou um aumento neste tipo de incêndio, já que em 2015 o número de casos foi 630. Por conta disso, o Corpo de Bombeiros afirma que toma medidas como forma de se preparar para este tipo de ocorrência.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Major Egídio LeiteMajor Egídio Leite

“Carros pipas são fornecidos pela Secretaria de Defesa Civil para que quando as viaturas estiverem combatendo um incêndio não tenham que se deslocar até um hidrante, elas ficam em ponto estratégico que permite o reabastecimento, consequentemente, resultando em um atendimento mais rápido”, informou o major Egídio Leite.

Outra estratégia adotada pelo Corpo de Bombeiros é a compra da folga dos militares. Essa estratégia é vista pela Associação de Bombeiros Militares do Piauí (ABMEPI) como uma forma de tentar remediar o baixo número de efetivo.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1 Flaubert Rocha Flaubert Rocha

“Nossa instituição está com o menor efetivo do país, 309, e continua diminuindo. Não adianta tapar o sol com a peneira, o que nós precisamos é contratar pessoas. Teve um concurso que foi anulado. Desde 2012, não entra ninguém no Corpo de Bombeiros”, pontuou o tenente Flaubert Rocha, da ABMEPI.

Mais conteúdo sobre: