Piauí - Teresina

Dudu lamenta rejeição de requerimento sobre cobrança de taxa

O requerimento foi rejeitado por 25 dos 29 vereadores, apenas o Enzo Samuel (PC do B) se absteve da votação.

RAISA BRITO

- atualizado

O vereador Dudu lamentou que seu requerimento, que pedia a suspensão da cobrança da taxa de lixo em Teresina, não tenha sido aprovado pela Câmara Municipal de Teresina. O requerimento foi rejeitado por 25 dos 29 vereadores, apenas Enzo Samuel (PC do B) se absteve da votação. Votaram a favor da suspensão, além de Dudu, Deolindo Moura (PT) e Cida Santiago (PHS).

O vereador Dudu lamentou a decisão da Câmara: “Eu lamento que a Câmara Municipal esteja andando na contramão, primeiro, porque o povo não estava sabendo e, segundo, estamos em um momento de crise e em momento de crise não se pega dinheiro da mão do povo, porque a gente tem é que jogar dinheiro na mão do povo. Então, eu lamento a Câmara Municipal não ter tido essa visão e, infelizmente, como Firmino tem uma base esmagadora eles passam por cima, mesmo de medidas antipopulares”.

  • Foto: Lucas Dias/GP1DuduDudu

O parlamentar criticou a lei que autoriza a cobrança da taxa: “Esse Código Tributário foi aprovado ano passado, eu alertava que era necessário que a gente tivesse um diálogo maior com o povo, mas enfim, foi aprovado. Agora, nós não podemos passar goela abaixo [essa cobrança], e eu acho inoportuno o que o prefeito Firmino está fazendo, no momento de crise você tirar R$ 7 milhões, R$ 10 milhões da economia, da mão do povo, esse dinheiro precisa tá circulando na economia para que possa gerar emprego, não é oportuno você mobilizar essa taxa, isso é o que eu estou questionando”.

“Eu que propus que a abrangência do desconto da taxa do lixo fosse para casas de até R$ 45 mil, assim como é no IPTU. Na proposta original não era nem esse valor, foi uma sugestão minha, que acataram na época”, declarou.

O petista também afirmou que houve alguns questionamentos em relação à aprovação do Código Tributário no ano passado: “Teve questionamentos do ponto de vista legais e nós vamos pontuar, porque, por exemplo, não teve parecer técnico da Câmara Municipal. Nós vamos analisar com os advogados, vou conversar com o Ministério Público e também vou analisar como anda a de Fortaleza, mas uma coisa é certa, o requerimento era pedindo para que o prefeito suspendesse, não era nem para anular a lei, agora era pra ter a sensatez de suspender”, finalizou.