Piauí - Teresina

Especialista português vem a Teresina e critica operação Lava Jato

O professor também colocou que o poder judiciário tem hoje um protagonismo indevido no combate à corrupção.

THAIS GUIMARÃES

- atualizado

O professor português Eduardo Vera-Cruz, doutor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, esteve em Teresina nessa quinta-feira (31), onde ministrou, no Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI), a palestra “O Tribunal de Contas no Combate à Corrupção no Atual Contexto Global e Brasileiro”. Em entrevista à imprensa, o pesquisador avaliou o cenário da corrupção no Brasil e criticou operações como a Lava Jato.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Eduardo Vera-CruzEduardo Vera-Cruz

Para o especialista, a corrupção deve ser tratada da perspectiva política e dos órgãos de controle, não do poder judiciário. “Eu sou republicano, não faço diferença entre poderosos e humildes, perante as leis da república são todos iguais, e é difícil quando o próprio poder judiciário adota um discurso moralista. Dizer que estão prendendo poderosos não é um discurso que cabe a um juiz, isso é um discurso político. Por isso, eu atribuo pouca importância aos tribunais e muita importância à educação dos cidadãos”, declarou.

O professor afirmou que tem dúvidas quanto a eficiência de grandes operações, no caso do Brasil, a Lava Jato. “Não dou grande importância a essas operações. Por exemplo, na Itália, a operação Mãos Limpas teve um efeito brutal, que foi retirar a classe política, que não foi substituída por políticos, foi substituída por pessoas que diziam que não eram políticos, e apareceu o Sílvio Berlusconi e outros demagogos. Portanto, eu tenho sérias dúvidas sobre a eficácia da justiça a tratar deste tema”, apontou.

Por fim, Eduardo Vera-Cruz colocou uma preocupação com certo protagonismo que o poder judiciário tem atualmente. “Quando a justiça assume um protagonismo que não deve é preocupante. A justiça é anônima, tem uma venda nos olhos não é para não olhar quem julga, é para não ser conhecida. Quando os juízes são conhecidos, a sociedade está com problemas”, pontuou.


MAIS NA WEB