Piauí

Juiz José Vidal critica superlotação no sistema prisional do Piauí

Atualmente há 4.200 pessoas presas nas penitenciárias do Piauí, sendo que a capacidade é para 2.300, ou seja, há aproximadamente 2.000 pessoas a mais lotadas nos presídios.

THAIS GUIMARÃES

- atualizado

Durante entrevista concedia à imprensa na última terça-feira (11), o juiz José Vidal de Freitas Filho, titular da Vara das Execuções Penais de Teresina, criticou a superlotação das unidades prisionais do Piauí. Segundo o magistrado, atualmente há 4.200 pessoas presas nas penitenciárias do Piauí, sendo que a capacidade é para 2.300, ou seja, há aproximadamente 2.000 pessoas a mais lotadas nos presídios.

  • Foto: Thais Guimarães/GP1Juiz José VidalJuiz José Vidal

De acordo com números apresentados pelo juiz, a média de pessoas presas no Piauí é menor que a média nacional. “O total de presos no Piauí é um dos menores do país. A cada mil pessoas no Brasil, 3,1 estão presas, e no Piauí, a média é de 1,4 para mil, então, não temos um percentual muito grande, mesmo assim estamos com quase dois mil presos a mais do que a quantidade de vagas”, afirmou.

Para José Vidal, a superlotação, além de dificultar a reinserção social, contribui para a ocorrência de delitos dentro dos presídios. “Atualmente no Piauí, apenas dois presídios não estão superlotados, são as casas de detenção provisória de Altos e São Raimundo Nonato, onde até hoje não se teve registro de entrada de entorpecentes ou aparelhos de celular, porque lá a quantidade de presos é dentro dos limites, então pode haver todo um trabalho de segurança, inclusive dispensando a revista vexatória [quando o visitante é obrigado a tirar a roupa e se colocar em diversas posições a fim de ser revistado minunciosamente], que nem deveria mais existir”, declarou.

Por fim, o magistrado ressaltou a importância dos investimentos no sistema prisional e nos métodos de ressocialização. “O estado deixou de investir no sistema prisional e isso atrapalha tudo, em um presídio superlotado é mais difícil trabalhar a reinserção social”, finalizou.

Mais conteúdo sobre:

MAIS NA WEB