Mundo

Líderes do Brics condenam testes nucleares norte-coreanos

Em comunicado conjunto, líderes expressam “profunda preocupação”.

NAYRANA MEIRELES

- atualizado

Em comunicado da 9ª cúpula de chefes de Estado e de governo do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, os líderes do bloco condenaram os testes nucleares norte-coreanos. Anúncio foi feito nesta segunda-feira (04), na cidade de Xiamen.

"Expressamos nossa profunda preocupação com a atual tensão e com a prolongada questão nuclear na Península Coreana e enfatizamos que a situação deve ser apenas solucionada por intermédio de meios pacíficos e diálogo direto entre todas as partes envolvidas", diz a declaração conjunta emitida em Xiamen.

Neste domingo (03), a Coreia do Norte anunciou ter testado uma bomba de hidrogênio. Mais cedo, durante abertura da cúpula, o presidente Michel Temer manifestou preocupação com os testes nucleares norte-coreanos.

  • Foto: DivulgaçãoBricsBrics

"Os episódios dos últimos dias dão concretude a temores que parecem ter ficado nos livros de história. Hoje, [é importante] encontrar saída diplomática para a situação tão grave. Em perspectiva mais abrangente e de mais longo prazo, o desarmamento nuclear é a garantia mais eficaz contra a proliferação", afirmou.

"O Brasil esteve na origem do Tratado sobre a Proibição das Armas Nucleares, adotado em julho. Assinaremos o instrumento ainda este mês, em Nova York. Trata-se de mais uma conquista real do multilateralismo", acrescentou Temer.

De acordo com informações do G1, no os presidentes também condenaram no documento, os ataques em todas as duas formas e pediram que todas as nações adotem medidas de combate ao terrorismo, incluindo a prevenção ao recrutamento de pessoas e o bloqueio de fontes de financiamento como as oriundas de crime organizado e lavagem de dinheiro. Além de Temer, participam da cúpula de Xiamen os presidentes de China, Xi Jinping; Rússia, Vladimir Putin; África do Sul, Jacob Zuma; e o premiê indiano, Narendra Modi.

Mais conteúdo sobre:

MAIS NA WEB