Economia e Negócios

Metade dos servidores estaduais podem se aposentar em 10 anos

Ao todo, serão 1,8 milhão de funcionários públicos com direito a reivindicar um pecúlio para o resto da vida.

DEISE KESSLER

Segundo um estudo realizado pelo economista Nelson Marconi, professor da Fundação Getúlio Vargas, ao longo dos próximos 10 anos, cerca de 48 % dos servidores estaduais hoje na ativa, terão direito a pedir a aposentadoria. Ao todo, serão 1,8 milhão de funcionários públicos com direito a reivindicar um pecúlio para o resto da vida. “Pelas regras atuais, os sistemas previdenciários estaduais não vão suportar a conta e a crise, hoje concentrada em alguns Estados, vai se espalhar”, Marconi.

De acordo com o Estadão, o economista Paulo Tafner, especialista em Previdência, informou que a concentração de aposentadorias nos próximos anos deriva de contratações que ocorreu em praticamente em todas as esferas do setor público no final dos anos 80 e início dos anos 90, durante a redemocratização.

  • Foto: Divulgação Previdência SocialPrevidência Social

Além disso, também pesa o fato de duas categorias, professores e policiais, cujas contrações estão concentradas nos Estados, terem direito a aposentadorias especiais. Professores podem se aposentar com 50 anos. Em vários Estados, policiais têm entrado com pedido de aposentadoria aos 46, 47 anos de idade.

O problema ocorreria de qualquer maneira, no entanto, há pelo menos dois agravantes: chega no momento em que o brasileiro começa a ficar mais velho e a viver mais, o que eleva e prolonga os gastos da Previdência, e quando o País mergulha na mais profunda crise econômica da história.

“A recessão, a crise de crédito e de setores-chave para a arrecadação agravaram e anteciparam a crise estrutural da Previdência: servidores trabalham menos tempo para ficar mais tempo aposentados e não é à toa que há uma razoável correlação entre o tamanho da Previdência própria dos Estados e a crise financeira de muitos deles”, afirma economista José Roberto Afonso, pesquisador do Instituto de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).


MAIS LIDAS