Piauí - Teresina

MP determina que Sílvio Mendes corrija falhas encontradas no HUT

A recomendação  é com base em um relatório elaborado pela Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado que encontrou algumas irregularidades na estrutura, organização e funcionamento.

BÁRBARA RODRIGUES

- atualizado

O Ministério Público do Estado do Piauí, promotor Eny Marcos Vieira Pontes, expediu recomendação, no dia 25 de agosto, ao presidente da Fundação Municipal de Saúde, Sílvio Mendes de Oliveira Filho e ao Diretor-Geral do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) "Zenon Rocha", Gilberto Albuquerque, para que sejam consertadas todas as irregularidades encontradas em relatório de Inspeção Sanitária.

A recomendação é com base em um relatório elaborado pela Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado que encontrou algumas irregularidades na estrutura, organização e funcionamento da Unidade de Tratamento Ortopédico do Hospital de Urgência da cidade de Teresina.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Silvio mendesSilvio mendes

O promotor determinou que em um prazo de 60 dias, eles implantem protocolos de segurança do paciente na íntegra, para que realizem a identificação das medicações de alta vigilância, marcação de lateralidade cirúrgica e mudança de decúbito dos pacientes. Assim como colocar dispensador de sabão líquido, porta papel toalha e papel higiênico para os banheiros.

Também deve adequar o número enfermarias à quantidade da demanda por pacientes, permanecendo desta forma a quantidade de pacientes nas enfermarias para a qual foi projetada. Devem providenciar a substituição das capas dos colchões, ou troca dos mesmos, a correção da fiação exposta, reparação do forro que apresenta mofo e umidade, assim como a troca das maçanetas e trancas das portas com defeito e que seja apresentado um plano de manutenção e limpeza de ar condicionados, com os registros de todas as manutenções. Os carros de emergência devem ter desfibrilador cardíaco, máscara com reservatório de alto fluxo para oxigenoterapia e monitor cardíaco.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Gilberto AlbuquerqueGilberto Albuquerque

Já para um prazo de 120 dias, determinou que seja feita uma ampliação do Posto de Enfermagem para atender a demanda de preparo de medicações dos pacientes e adequação do sistema de retorno do ar através de dutos.

“Desde já, adverte que a não observância desta recomendação implicará na adoção das medidas judiciais cabíveis, devendo ser encaminhada à 29ª Promotoria de Justiça da Capital informações pormenorizadas quanto à adoção das medidas administrativas para o pleno atendimento da presente recomendação ao final do prazo final de 120 dias”, destacou o promotor.


MAIS NA WEB