Piauí - Esperantina

“Não foi acidental”, diz delegado sobre morte de Tote Aristides

O acusado do crime, Jailson de Souza Xavier, foi preso nesta sexta-feira (14) em Redenção do Gurguéia.

ANDRÉ DOS SANTOS

O delegado de Polícia Civil, Leonardo Alexandre, com atuação na cidade de Esperantina, falou ao GP1 sobre a prisão de Jailson de Souza Xavier, acusado de matar o vereador do município de Esperantina, Antônio Aristides de Carvalho (PMDB), o “Tote Aristides”.

Segundo o delegado, a polícia trabalha com a hipótese de que Jailson queria atingir uma outra pessoa. “Nós ouvimos de testemunhas que o vereador estava na residência dele. Ele tentou impedir a briga de um casal, quando o Jailson tentou atirar na esposa, e o vereador aparentemente se colocou na frente e foi atingido. Não podemos dizer que foi acidental, porque ao entrar na situação ele assumiu riscos", explicou o delegado.

"Situações como esta nós denominamos como erro de execução porque Jailson, na verdade queria atingir a esposa. Então essa é a principal suspeita. Mas nós não descartamos outras hipóteses”, informou Leonardo Alexandre. 

  • Foto: PortalespVereador ToteVereador Tote Aristides

O delegado informou ainda os próximos passos da investigação. “Vamos colher o depoimento do acusado, já em Teresina. Outras testemunhas do crime também serão ouvidas”, finalizou.

Prisão

A Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (14) Jailson de Souza Xavier, acusado da morte de Tote Aristides. A prisão do suspeito ocorreu na cidade de Redenção do Gurguéia, na região Sul do Estado. Ele foi abordado por policiais civis quando estava em um ônibus que vinha de Brasília -DF.

Mais conteúdo sobre:

Link do texto:

“Não foi acidental”, diz delegado sobre morte de Tote Aristides
http://www.gp1.com.br/noticias/nao-foi-acidental-diz-delegado-sobre-morte-de-tote-aristides-402842.html

© 2007-2016 GP1 - O Primeiro Grande Portal do Piauí. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.