Piauí

Nupevid emite nota de repúdio contra o assassinato de Iarla Lima

A nota ressalta que esse foi um crime de “motivação machista” e que a promotoria repudia “profundamente tal ato de violência”.

GERMANA CHAVES

- atualizado

A 10ª Promotoria de Justiça – órgão integrante do Núcleo de Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUPEVID), representada pela promotora Amparo Paz – emitiu nota de repúdio pela morte da jovem Iarla Lima Barbosa, de 25 anos, assassinada pelo namorado, o oficial do ExércitoJosé Ricardo da Silva Neto, de 25 anos.

A nota ressalta que foi um crime de “motivação machista” e que a promotoria repudia “profundamente tal ato de violência”. No texto, o Núcleo, lamenta a “morte prematura da jovem” e pede o fim da “violência! Por todas as mulheres, vamos continuar lutando pelo fim do machismo!”.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Entrevista com a Promotora Amparo PazPromotora Amparo Paz

O caso

O crime ocorreu na madrugada desta segunda-feira (19) quando o casal e mais duas mulheres deixavam o Bar Bendito Boteco. O oficial ficou com ciúmes da namorada e a chamou para ir embora do local. Durante o percurso, o acusado efetuou vários disparou contra Iarla e acabou atingindo mais duas mulheres que estavam com eles no carro. Uma delas, era irmã da vítima.

Nota de repúdio na íntegra

A 10ª Promotoria de Justiça – órgão integrante do Núcleo de Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUPEVID) – vem a público manifestar apoio e solidariedade à família da jovem assassinada, na madrugada desta segunda-feira (19), pelo militar do Exército, Ricardo da Silva Neto.

Crime de motivação machista, repudiamos profundamente tal ato de violência e reforçamos a fundamental necessidade de enfrentamento ao machismo e opressão.

Segundo o Mapa da Violência contra a Mulher, 13 mulheres são assassinadas diariamente no Brasil. Não podemos aceitar de forma omissa a revoltante realidade de que todas as mulheres estão a mercê dessa violência arbitrária e de tratamento desigual e opressor.

Por isso, lamentamos a morte prematura da jovem, ao tempo que nos solidarizamos com a família e amigos, desejando que encontrem o conforto na sua memória. Chega de feminicídio, chega de violência! Por todas as mulheres, vamos continuar lutando pelo fim do machismo!

Mais conteúdo sobre:

MAIS NA WEB