Piauí - Teresina

Painel vai retratar história de 27 vítimas de feminicídio no Piauí

Obra será exibida pela primeira na manhã desta sexta-feira (11), durante a realização da I Mostra Inthegra Mulher, na Praça Marechal Deodoro da Fonseca, mais conhecida como Praça da Bandeira.

LUCAS MARREIROS

- atualizado

Um painel vai retratar de forma artística a história de 27 vítimas de feminicídio no Piauí. A obra será exibida pela primeira vez na manhã desta sexta-feira (11), durante a realização da I Mostra Inthegra Mulher, na Praça Marechal Deodoro da Fonseca, mais conhecida como Praça da Bandeira, localizada no Centro de Teresina.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1 Delegada Eugenia Villa Delegada Eugenia Villa

A delegada Eugênia Villa, responsável pela Diretoria de Gestão Interna da Secretaria de Segurança Pública do Piauí (SSP-PI), conta que a exposição acontecerá em conjunto com outras ações. "Vai ser uma estratégia feita pela secretaria municipal de políticas públicas para Mulheres, que convidou todas entidades e instituições que trabalham na rede de proteção a mulher e a Polícia Civil vai estar lá com um estande, onde vamos lançar o painel", explicou.

De acordo com a delegada, o painel é um trabalho de artistas plásticas que construíram a tela retratando a história das mulheres que foram vítimas de feminicídio no estado. "Recortamos 27 casos, que foram analisados com profundidade e deram subsídio na elaboração desse mural. O sentido é comunicar, através da obra de arte, com maior veemência o assassinato de mulheres para sensibilizar a população sobre essas pessoas que estão invisíveis, esses assassinatos que acontecem porque as mulheres são mulheres", ressaltou Eugênia Villa.

Alguns dos casos retratados no painel chamaram muita atenção da população, no entanto, a delegada afirma que as vítimas não são identificadas e que as pessoas talvez identifiquem a história por conta dos detalhes da obra. “É um discurso artístico que remete a reflexão aprofundada sobre essas vidas que foram perdidas, desperdiçadas e esses assassinatos que poderiam ter sido evitados”, completou.

Mais de 50 feminicídios

A Lei Nº 13.104, de 9 de março de 2015, coloca o feminicídio como uma qualificadora para o crime de homicídio praticado, tipificado quando ocorre contra mulheres por razões de gênero. No Piauí, a Diretoria de Gestão Interna da SSP-PI contabilizou 50 feminicídios entre o período de março de 2015 até 30 de agosto de 2016.

“Antes disso não dá para falar de feminicídio por conta da vigência da Lei. Esse recorte até agosto de 2016 é porque nós tínhamos que estabelecer um término. Neste período tivemos 84 assassinatos de mulheres no Piauí, desses 84, 50 foram feminicídio”, finalizou a delegada Eugênia Villa.

Um dos casos mais recentes de feminicídio, que não entrou no recorte feito pela SSP-PI, é o da estudante Iarla Lima Barbosa, de 25 anos, morta pelo namorado, o oficial do exército José Ricardo da Silva Neto, de 23 anos, no dia 10 de junho deste ano. Atualmente, ele está aguardando transferência do 2º Batalhão de Engenharia e Construção, onde está preso preventivamente, para uma unidade prisional do estado, depois de ter perdido a patente.