Enviar por e-mail

Enviar notícia por e-mail
Exemplo: nome@example.com. Para enviar para mais de uma pessoa, separe os endereços por vírgulas
Informe o seu nome
Informe o seu endereço de e-mail
Os comentários serão incluídos na mensagem

Comunicar erros

Comunicar erro na notícia
Informe o seu nome
Informe o seu endereço de e-mail
Descreva o que há de errado com esta notícia
08/01/2012 - 18h02
Desenvolvimento

Plantação de Uvas muda a vida de agricultores no município de São João do Piauí

Durante o período de desenvolvimento das videiras, cada família envolvida no projeto recebia um salário mínimo por mês.

Da Redação
Atualizada em 08/01/2012 - 17h19
Quem apostou no sucesso dos parreirais do assentamento Marrecas, na zona rural do município de São João do Piauí, a 450 quilômetros ao Sul de Teresina, já começa a mudar de vida. A família de Antônio Valdivino, por exemplo, com as três colheitas dos últimos 12 meses deverá alcançar um lucro de R$ 42 mil.

Valdivino, 68 anos, é o pioneiro no cultivo de uva no sertão do Piauí e lidera uma das três famílias responsáveis pelos dois hectares que serão colhidos entre os dias 13 e 15 de janeiro, durante a realização do 3º Festival da Uva de São João do Piauí, promovido pelo Governo do Estado.

Durante o período de desenvolvimento das videiras, cada família envolvida no projeto recebia um salário mínimo por mês pago pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), que montou toda estrutura do parreiral em parceria com o governo estadual. A Codevasf se manteve na administração até 2010, quando as plantações passaram para a responsabilidade dos próprios agricultores.

"Antes eu plantava algodão em terra alheia, cheia de pedras, e vivia de incertezas. Primeiro foi a seca, depois uma praga de bicudo acabou com a plantação e fiquei sem nada", conta Antônio Valdivino, que chegou à localidade Marrecas no final dos anos 80, rante a invasão da área organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Depois da primeira colheita, em 2007, ele passou o comando do parreiral para o filho.

"Nossa vida mudou muito", confirma Maria José Nascimento, presidente da Associação de Produtores Irrigantes de Marrecas, ela própria uma recém-convertida ao cultivo da uva. Segundo ela, a maioria dos assentados vivia e trabalhava em terras alheias, sendo obrigado a entregar ao proprietário parte do que conseguiam colher. Maria José passou a cultivar uva há três anos e já tem a convicção de quem encontrou o que tanto procurava: “A uva não largo mais”.

Outro que entrou no ramo do cultivo de uva foi o agricultor Tomaz Ribeiro, também dono de plantações de mamão, goiaba e banana. Em três anos e três colheitas numa pequena área de 0,7 hectares já colheu mais de 6 mil quilos da fruta. Em abril deste ano, ele espera colher outros 6 mil quilos e recuperar os R$ 11 mil investidos.

"Com o passar do tempo, o parreiral vai aumentando sua produtividade. Isso ocorre por um período aproximado de quarenta anos. É um bom investimento", garante.

A uva de São João do Piauí é a chamada uva de mesa, que é mais doce e mais saborosa. O doce mais acentuado se deve às 2,4 mil horas de sol a mais que o Semiárido piauiense oferece em relação às regiões do Sul do Brasil, por onde foi introduzido o cultivo da uva no Brasil.

Keywords: piauí, são joão do piauí, uva, plantação


Saiba mais sobre Notícias do Piauí

Leia também

Avalie:
Média de avaliações:
0 votos
Comente esta reportagem
Comentário
Escreva aqui seu comentário
De onde você é?
Escolha um Estado
Escolha sua Cidade
Quem é você?
Informe o seu Nome
Informe o seu E-mail!

Comentários (0)

  • Não há comentários nesta notícia

Publicidade

tempo real


Publicidade