Brasil

Policial revolta bandidos ao usar instrumentos cor de rosa em SP

Com dezenas de casos no currículo, ela usa a delicadeza e a determinação feminina para impor respeito e mostrar sua capacidade como policial nas ruas ou na solução de casos de alto risco.

DEISE KESSLER

  • Foto: Mariane RossiPolicial revolta bandidos ao usar instrumentos cor de rosaPolicial revolta bandidos ao usar instrumentos cor de rosa

A investigadora, Katherine Cramer trabalha na Delegacia Antissequestro de Santos, no litoral de São Paulo tem um diferencial dos demais no seu trabalho, Katherine Cramer utiliza arma e algemas cor de rosa. Ela adora mostrar o lado feminino que existe na Polícia Civil.

Com dezenas de casos no currículo, ela usa a delicadeza e a determinação feminina para impor respeito e mostrar sua capacidade como policial nas ruas ou na solução de casos de alto risco. “Eu achava bonito o trabalho da mulher na polícia. Estava fazendo a faculdade de Direito com algumas amigas que eram escrivãs e investigadoras. Eu comecei a estudar e consegui passar no concurso”, relata Katherine.

Em 2016, a investigadora passou a fazer parte do Grupo de Operações Especiais (GOE), uma unidade de recursos especiais do Departamento de Polícia Judiciária da Polícia Civil do Estado. “Eu dirigia a viatura toda preta. Na época, eu usava uma caneta e uma prancheta rosa”.  Já em 2007, ela foi trabalhar na Delegacia de Investigações Gerais e, em 2015, voltou para a DEAS.

Segundo o G1, Katherine usa algemas cor de rosa para prender criminosos. Além disso, ela ressalta que os homens ficam mais revoltados de estarem com a algema cor de rosa do que em ser preso, mas não faltam com o respeito e acabam por se conformar com a situação.


Link do texto:

Policial revolta bandidos ao usar instrumentos cor de rosa em SP
http://www.gp1.com.br/noticias/policial-revolta-bandidos-ao-usar-instrumentos-cor-de-rosa-em-sp-402363.html

© 2007-2016 GP1 - O Primeiro Grande Portal do Piauí. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.