PI - Teresina

PRF Eraldo Brandão vai responder por crime de corrupção passiva

“Ele vai responder criminalmente pelo crime de corrupção passiva e a corregedoria vai abrir procedimento administrativo disciplinar (...) e ao final poderá ser demitido, se for o caso", explicou.

DÉBORA DAYLLIN

- atualizado

O Corregedor Regional da PRF no Piauí, Francisco Sobrinho, concedeu entrevista coletiva, na tarde desta quinta-feira (28), na sede da PRF para esclarecer sobre a prisão do policial rodoviário federal, Eraldo Brandão, por corrupção passiva.

  • Foto: Facebook/Eraldo BrandãoEraldo BrandãoEraldo Brandão

Segundo o corregedor, as investigações iniciaram a partir de denúncias: “O que iniciou o procedimento foram algumas denúncias que chegaram, não só na Corregedoria Geral via ouvidoria, mas também por terceiros aqui na corregedoria regional e daí em diante iniciou-se o processamento dessas informações, visando verificar se realmente existiam indícios suficientes para que pudesse haver algum procedimento investigatório”, relatou.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Francisco Sobrinho Francisco Sobrinho

“Nesse sentido, foi feito durante alguns meses o acompanhamento para verificar se realmente, nesse trecho, aqui sentido do litoral, na BR 343, estava ocorrendo a suspeita de que servidor ou servidores poderiam estar envolvidos em cometimento de determinado tipo de vantagem indevida em função do cargo”, explicou.

No caso do PRF preso, ele não recebeu dinheiro e sim mercadorias: “Ele foi pego com vantagem ilícita no que diz respeito a mercadorias”, afirmou.

O corregedor declarou que a investigação é feita com cautela para que não haja nenhum equívoco: “É um processo demorado que a gente faz pra poder realmente vislumbrar não só a proteção do próprio servidor para evitar uma injustiça e a questão da imagem também do servido. Ele vai responder criminalmente pelo crime de corrupção passiva e a corregedoria vai abrir procedimento administrativo disciplinar visando apuração dos fatos, com direito a contraditório e a ampla defesa e, ao final, poderá ser demitido, se for o caso, vai depender de como vai tramitar o procedimento”, esclareceu.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Corregedor Regional Francisco Sobrinho Corregedor Regional Francisco Sobrinho

Por enquanto, o PRF vai ficar preso no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar do Estado: “Enquanto isso ele está detido junto ao batalhão da Polícia Militar, por encaminhamento da Polícia Federal e é dado conhecimento ao juízo sobre o fato e daqui pra frente esse procedimento da parte criminal fica a critério do juízo competente e a gente fica aguardando porque, nesse caso, a gente vai ter que aguardar o que o juiz vai proceder e a gente também vai solicitar as informações especificas no decorrer do inquérito que a PF abriu na data de hoje”, finalizou.

O PRF tem 21 anos de polícia e este é o primeiro caso de prisão na região neste ano de 2017.

MAIS NA WEB