Piauí - Picos

Promotora instaura inquérito civil contra o prefeito Padre Walmir

Na portaria de nº 249/2017, a promotora explicou que o inquérito é para fiscalização e acompanhamento do processo de convocação dos concursados do município de Picos.

BÁRBARA RODRIGUES

- atualizado

O Ministério Público do Estado do Piauí, por meio da promotora de Justiça Romana Leite Vieira, instaurou um inquérito civil público, no dia 31 de agosto, para investigar denúncia de irregularidades na gestão do prefeito de Picos, Padre Walmir de Lima (PT).

Na portaria de nº 249/2017, a promotora explicou que o inquérito é para fiscalização e acompanhamento do processo de convocação dos concursados do município de Picos referente ao concurso público realizado no ano de 2016 pela prefeitura e por intermédio do Instituto Machado de Assis.

  • Foto: José Maria Barros/GP1Padre Walmir sanciona lei da taxa do lixoPadre Walmir

A promotora explicou que existem na promotoria seis notícias de fato e um procedimento administrativo sobre o concurso, além de quatro ofícios encaminhados pela Ouvidoria do Ministério Público do Estado do Piauí, dois do Ministério Público do Trabalho e mais um ofício do Ministério Público Federal, “todos versando acerca da preterição da lista de aprovados para o concurso público em razão da contratação a título precário de servidores ou a existência de vaga e a não convocação dos classificados”.

Ela explica então que o inquérito vai “apurar os fatos e denúncias articulados, colher os elementos de prova necessários ao ajuizamento da ação judicial cabível, ou suficientes para promoção de arquivamento do procedimento investigatório, se pertinente”, explicou Romana Leite.

Outro lado

Em entrevista ao GP1, o prefeito Padre Walmir negou que tenham contratados trabalhando no lugar de concursados e explicou que esse ano tomou a decisão de demitir cerca 500 funcionários contratados e que fará um planejamento para tentar convocar mais aprovados no próximo ano.

“Temos um compromisso e já falei isso para promotora que esse ano eu não convoco. Na semana passada eu anunciei o fim do contrato de quase todos os contratados, onde não envolvem concursados. Muitas vezes as pessoas imaginam que tem um comissionado trabalhando e que essa pessoa está no lugar de um concursado, mas não é isso. Estou encerrando quase todos os contratos, só nessa semana serão uns 200 e no próximo ano vou fazer um planejamento , um levantamento para ver o orçamento para saber as despesas que podemos fazer com efetivos. Uma coisa é você contratar uma pessoa por um período e amanhã poder acabar o contrato. Já o efetivo é para vida toda e isso precisa de planejamento. Nesse ano chamei mais de 300 concursados e vou fazer novas convocações só no próximo ano, de acordo com a necessidade”, explicou.