Ciência e Tecnologia

Prontuário eletrônico deve ser adotado em postos de saúde

O mecanismo permite acompanhamento de histórico do paciente, dados e resultados de exames e devem ser adotar em até 60 dias.

NAYRANA MEIRELES

Todos os municípios do país devem adotar em suas unidades básicas de saúde o prontuário eletrônico em até 60 dias. Com essa plataforma digital, os serviços de saúde, como o histórico, dados e o resultado de exames dos pacientes estarão disponíveis para consulta.

O sistema deve apresentar em tempo real a possibilidade de medicamentos e o registro das visitas de agentes de saúde. Essa ação tem como objetivo melhorar o atendimento da rede municipal de saúde. O Ministério da Saúde poderá verificar ainda como os recursos do SUS estão sendo investidos na saúde.

  • Foto: Wilson Dias/Agência BrasilMinistro Ricardo BarrosMinistro Ricardo Barros

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou que essa medida ajuda para aumentar a eficiência do SUS. “O prontuário vai nos permitir eficiência, transparência, economia, como na consulta a exames e na oferta de medicamentos, e permitirá que o cidadão seja o fiscal do Sistema Único de Saúde. Até 10 de dezembro, já deveremos ter mais de 50% dos brasileiros com seu atendimento verificado no sistema de controle do Ministério da Saúde, para que seja atingido o objetivo da informatização dos mecanismos de controle de cada real do SUS”.

Barros disse ainda que o Ministério da Saúde deve apoiar os municípios que encontrarem dificuldades na implantação do prontuário eletrônico e que cada gestor deve apresentar as necessidades até 10 de dezembro, para que a pasta avalie cada caso e providencie a estrutura para a transmissão dos dados.

Mais conteúdo sobre:

Link do texto:

Prontuário eletrônico deve ser adotado em postos de saúde
http://www.gp1.com.br/noticias/prontuario-eletronico-deve-ser-adotado-em-postos-de-saude-402573.html

© 2007-2016 GP1 - O Primeiro Grande Portal do Piauí. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.