Piauí

Quatro adolescentes sofrem estupro coletivo em Castelo do Piauí

"As lesões, aparentemente, foram feitas por pedras como se elas tivessem sido arrastadas ou jogadas ao chão" disse o diretor do HUT.

RAISA BRITO E BRUNNO SUÊNIO
DO GP1

Na noite desta quarta-feira (27) quatro adolescentes foram violentadas no município de Castelo do Piauí. Quatro menores e um homem são acusados de cometer o crime.

As jovens foram sequestradas e levadas para um morro e foram encontradas horas depois, amarradas no meio do mato por um popular.

De acordo com o vereador do município, Dr. Nilso, as adolescentes foram agredidas e torturadas pelos acusados. “As meninas entre 15 e 17 anos saíram de casa para tirar fotos para um trabalho da escola. Elas estariam próximo ao morro, quando foram abordadas por quatro menores e um homem. Eles amarraram as jovens, agrediram, cortaram os bicos dos seios, e estupraram as garotas”, disse em entrevista ao GP1.

Imagem: ReproduçãoQuatro menores acusados do crime são apreendidos(Imagem:Reprodução)Quatro menores acusados do crime são apreendidos
Ainda segundo o vereador um popular encontrou as adolescentes. “Por volta de 16h às famílias sentiram falta delas, foram atrás e no local só estavam às motos. Já no início da noite um popular ia passando próximo ao morro e ouviu alguém agonizando e pedindo por socorro, ele não foi ao local com medo, mas acabou voltando e encontrou as quatro, amarradas e despidas. Ele até tirou a camisa pra vestir uma delas,” disse.

O delegado de Castelo do Piauí, Laércio Evangelista, confirmou a ocorrência, mas não deu detalhes. “Estamos no meio do mato à procura dos acusados, depois daremos mais informações”, disse em entrevista ao GP1.

A polícia já apreendeu quatro menores e está em busca do outro suspeito identificado como Adão José de Sousa que é acusado de assaltar e atirar numa gerente de um posto de combustível.

As vítimas foram encaminhadas para o Hospital de Urgência de Teresina.

HUT

Em entrevista ao GP1, o diretor do Hospital de Urgência de Teresina (HUT), Gilberto Albuquerque, afirmou que as vítimas deram entrada no hospital com lesões em todo o corpo, principalmente, nas regiões da face e coluna cervical.

“Todas elas chegaram com politraumatismos, várias lesões contusas, muitas escoriações e lesões cortantes no corpo inteiro. Uma delas, 17 anos, tinha um traumatismo craniano grave, esta foi operada e está na UTI. Outra apresentava lesões cervicais importantes, teve que ser operada e ainda se encontra no centro cirúrgico. A terceira deu entrada com múltiplas lesões e está na unidade semintensiva. A última também teve muitas contusões ainda se encontra em observação”, detalhou o diretor do HUT.

Ainda de acordo com o diretor, há suspeitas que as vítimas tenham sido agredidas por pedras e arrastadas, devido à quantidade de lesões contusas e areia encontrada. “As lesões, aparentemente, foram feitas por pedras como se elas tivessem sido arrastadas ou jogadas ao chão. Todas elas tiveram traumas faciais, cervicais no corpo inteiro. Uma delas tem um trauma facial mais importante”, pontuou.

Vítimas

O GP1 apurou que uma das vítimas identificadas como R. N. S. R, de 17 anos, teve afundamento de crânio, foi espancada e estuprada e etá na UTI neurológica. Outra vítima D.R.F teve fraturas múltiplas na face e está com traqueostomia, ela está na clínica médica juntamente com as outras duas vítimas, identificadas pelas iniciais I.S. e J.L. As quatro vítimas estão sedadas.

Revolta da população

Revoltados com o caso, populares bloquearam avenida da delegacia e tocaram fogo no meio da rua. Os populares ameaçaram invadir a delegacia.
 
Confira abaixo o vídeo

Populares revoltados bloquearam avenida da delegacia e atearam fogo no meio da rua

Curta a página do GP1 no facebook: www.facebook.com/PortalGP1

Mais conteúdo sobre: