Política

Rocha Loures deixa carceragem da superintendência da PF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator das ações da Lava Jato na Corte, decidiu soltar Loures nessa sexta-feira (30).

SUYNARA OLIVEIRA

- atualizado

Na manhã deste sábado (01), o ex-deputado e ex-assessor especial da Presidência, Rodrigo Rocha Loures, deixou a carceragem da Polícia Federal em Brasília. O ex-deputado estava detido há quase um mês. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do ex-parlamentar.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator das ações da Lava Jato na Corte, decidiu soltar Loures nessa sexta-feira (30).

Na decisão, Fachin entendeu que Loures pode responder às acusações em liberdade porque a denúncia contra ele já foi feita ao STF pela Procuradoria-Geral da República (PGR). O ex-parlamentar foi denunciado no mesmo processo com o presidente Michel Temer.

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoRocha LouresRocha Loures

Em março, a PF flagrou Rocha Loures recebendo uma mala com R$ 500 mil em São Paulo e segundo delações de executivos da JBS no âmbito da Lava Jato, seria um valor referente a propina. Rocha Loures foi denunciado junto com o presidente Michel Temer por corrupção passiva.

Medidas impostas por Fachin a Loures:

. Deverá permanecer em casa à noite (das 20h às 6h), nos finais de semana e em feriados, fiscalizado por monitoramento eletrônico (tornozeleira);

. Não poderá ter contato com qualquer investigado, réu ou testemunha relacionados aos atos pelos quais responde;

. Está proibido de deixar o país e deverá entregar o passaporte;

. Terá de comparecer em juízo sempre que requisitado para informar e justificar suas atividades, mantendo informado o endereço no qual poderá ser encontrado.