Política

Rodrigo Janot diz que não é preciso prova ‘satânica’ contra Temer

O procurador-geral Rodrigo Janot afirmou que as provas que constam na denúncia contra Temer são mais que suficientes.

BÁRBARA RODRIGUES

- atualizado

Durante uma palestra realizada neste sábado (1), em São Paulo, o Procurador-Geral do Ministério Público Federal, Rodrigo Janot, afirmou que não é preciso uma prova “satânica” para ligar o presidente Michel Temer (PMDB) à mala com dinheiro recebida pelo ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoRodrigo JanotRodrigo Janot

Michel Temer foi denunciado após ser acusado de indicar o ex-deputado Rocha Loures para resolver uma disputa relativa ao preço do gás fornecido pela Petrobras à termelétrica do grupo JBS. Joesley Batista, que fez delação premiada e chegou a gravar conversa com Temer, foi quem marcou o encontro com Rocha Loures para a entrega do dinheiro referente a propina para que o presidente resolvesse a situação. Tudo foi monitorado pela Polícia Federal. O suposto acordo feito entre Joesley e Temer era de R$ 500 mil por semana, pelo período de 20 anos por favores no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Segundo o G1, o procurador-geral Rodrigo Janot afirmou que as provas que constam na denúncia contra Temer são mais que suficientes e fez um trocadilho com o termo “prova diabólica”, que é conhecida no Direito por ser uma prova impossível ou excessivamente difícil de ser produzida.

"Não é possível que para eu pegar um picareta eu tenha que tirar a fotografia do sujeito tirando a carteira do bolso de outro. Ninguém vai passar recibo. Esse tipo de prova é satânica, é quase impossível. Tem que se olhar a narrativa", destacou. Um dos grandes desafios na denúncia é ligar Temer à mala, pois Rocha Loures foi flagrado com o dinheiro.

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoMichel TemerMichel Temer

No evento ele ainda falou sobre o fato de ser a pessoa responsável por denunciar o presidente da república. "Queria passar ao largo disso, mas tenho que cumprir minha missão", disse. O procurador participou da palestra "Desafios no combate à corrupção: a Operação Lava Jato” no 12° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo da Abraji.


MAIS NA WEB