Política

“Se a JBS delatar, será o fim da República”, diz Eduardo Cunha

Presidente Michel Temer tentou convencer o empresário da JBS a continuar pagando uma mesada milionária ao ex-presidente da Câmara Federal para que ele permanecesse calado.

BRUNA VELOSO

- atualizado

O ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB), que está cumprindo pena de 15 anos e quatro meses de prisão desde outubro do ano passado, disse, segundo informações do O Globo, que “se a JBS delatar, será o fim da República”.

O jornal divulgou ontem uma conversa gravada entre Joesley Batista, da JBS, e o presidente Michel Temer, que tentou convencer o empresário a continuar pagando uma mesada milionária ao ex-presidente da Câmara Federal para que ele permanecesse calado.

  • Foto: Theo Marques/Fotoarena/Estadão ConteúdoEduardo Cunha Eduardo Cunha

Eduardo Cunha teria dito ainda que, com relação a delação dos controladores do grupo JBS, as delações da empreiteira Odebrecht seriam “pequenas causas”, mas não comentou se estaria envolvido em esquema de corrupção com esses novos delatores.

Mais conteúdo sobre:

MAIS NA WEB