Piauí - Picos

Servidores da Saúde denunciam prefeito Padre Walmir ao MPT

Servidores denunciam precariedade nos postos de saúde do município e pedem intervenção do Ministério Público do Trabalho.

JOSÉ MARIA BARROS

- atualizado

Servidores da Saúde denunciam prefeito de Picos Padre Walmir

Cansados de esperar por uma solução que nunca vem, servidores públicos municipais de Picos lotados na Secretaria de Saúde, denunciaram o prefeito Padre José Walmir de Lima (PT) ao Ministério Público do Trabalho.

Os trabalhadores denunciam as péssimas condições de trabalho nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município, onde, segundo eles, falta tudo. Em razão disso, o atendimento à população fica comprometido e os mais prejudicados são as pessoas de baixa renda que não dispõem de recursos para buscar a rede privada.

A diretora de Comunicação do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Picos (Sindserm), Aylane Rodrigues, disse que os servidores procuraram a entidade no último dia 20 de julho para fazer a denúncia e cobrar uma solução para o problema.

“Nós contamos com uma boa estrutura, padrão Ministério da Saúde. O atendimento é humanizado pela boa acolhida, mas não concretizado por completo pela falta de materiais. Lá estão faltando medicamentos, luvas, aparelho de pressão arterial, termômetros. Falta o básico para se trabalhar, até mesmo material de higiene e limpeza e, isso é ruim para os servidores e, principalmente, para a população” – pontua Aylane Rodrigues.

A sindicalista trabalha como atendente de enfermagem na UBS do bairro Aerolândia, cujo prédio foi inaugurado no último dia 13 de julho, mas continua funcionando de forma precária devido à falta de equipamentos essenciais.

“Nós contamos com uma boa estrutura, padrão do Ministério da Saúde, porém, o que temos lá é um atendimento humanizado, pois estão faltando medicamentos, luvas, aparelho de pressão arterial, termômetros. Falta o básico para se trabalhar e até mesmo material de higiene e limpeza e, isso é ruim para a população que acaba não recebendo um bom atendimento” – pontua Raylane Rodrigues.

Denúncia ao MPF

Depois de ouvir os depoimentos dos servidores, a diretoria do Sindserm procurou o Ministério Público do Trabalho para formalizar a denúncia, tendo em vista que a entidade já procurou o prefeito Padre José Walmir de Lima (PT) e a secretária municipal de Saúde, Maria do Socorro de Sousa Moura, mais de uma vez e o problema não foi resolvido.

Nesta quarta-feira, 26, a partir das 14 horas, haverá uma audiência entre as partes no Ministério Público do Trabalho. Na oportunidade, o Sindicato vai cobrar uma solução para o problema, pois, os servidores alegam que do jeito que está não tem como continuar.

Atraso de salário

O Sindserm vai aproveitar a audiência com o Ministério Público do Trabalho para cobrar, também, a regularização no pagamento dos servidores da Saúde, cujos salários vêm atrasando com frequência.

Mais conteúdo sobre: