Piauí

Simepi quer legalizar direito de greve após proibição da Justiça

A classe reivindica péssimas condições de trabalho e o não cumprimento de reajuste salarial acordado em 2015.

ANDREIA SOARES

Após liminar do Tribunal de Justiça do Piauí, proibindo a paralisação dos médicos da rede pública estadual, que estava prevista para hoje (10) e amanhã (11), o Sindicato dos Médicos (Simepi) decidiu por suspender o movimento de forma temporária, pois ainda estão lutando para legalizar o direito de greve.

Segundo informações da assessoria de imprensa do Simepi, o movimento continua. "Vamos procurar agora novas formas de se articular para continuar a luta e mostrar para a população, por meio da imprensa, as péssimas condições de trabalho nas quais os médicos estão sujeitos”.

O Simepi reitera ainda que a situação está precária tanto na capital, como no interior. “Só para ter uma ideia, até roupas pós-operatórias estão em faltas. Muitos médicos trabalham com os materiais de uso próprio, porque não têm nos hospitais, ou quando tem, estão danificados”, informou a assessoria. A classe luta também pelo reajuste salarial acordado em 2015 com o Governo do Estado.