Piauí

Sinpoljuspi ameaça greve após suspensão de agentes penitenciários

Kleiton Holanda afirmou que a família da criança tinha permissão da secretaria de Justiça para trabalhar na penitenciária Major César e defendeu a saída de Daniel Oliveira do cargo.

BÁRBARA RODRIGUES E THAIS SOUZA

O vice-presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi), Kleiton Holanda, afirmou ao GP1que a categoria analisa a possibilidade de deflagrar novamente greve após o secretário estadual de Justiça, Daniel Oliveira, determinar a suspensão de 12 agentes penitenciários da Major César após uma criança ter sido encontradacom o detento José de Ribamar no dia 1º de outubro.

Kleiton Holanda afirmou que a família da criança tinha permissão da secretaria de Justiça para trabalhar na penitenciária Major César e defendeu a saída de Daniel Oliveira do cargo. “A forma de perseguição do secretário já é bem evidente, desde muito tempo e agora ficou mais incisivo. É um secretário que deveria ser afastado também. Os agentes agiram em cima de uma ilegalidade que estava ocorrendo e no final das contas o secretário de Justiça, mesmo sabendo que eles [pais da criança] trabalhavam na Major César e tinham livre acesso, resolveu dar uma resposta apenas para a sociedade, que não é uma resposta correta, quem deveria ser afastado era ele. É bem claro que ele persegue os agentes. Estamos levando a verdade, pois a família tinha autorização para trabalhar dentro do estabelecimento. Agora com essa decisão injusta, imoral e ilegal por parte do secretário, iremos tomar as devidas providências no sentido de responsabilizar os verdadeiros culpados de tudo que está acontecendo no sistema prisional hoje, a única coisa que não está acontecendo é uma gestão eficiente para melhorar, mas sim no sentido de destruir”, criticou Kleiton Holanda.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Kleiton HolandaKleiton Holanda

Ele destacou que a categoria está analisando a possibilidade de entrar novamente em greve. “O sindicato não descarta nenhuma possibilidade que possa vir um movimento paredista. Isso já um sentimento da categoria, que está muito forte. É um desejo que já estão cobrando do sindicato, a gente recebe bem essas colocações e vamos começar a trabalhar isso de novo, porque não iremos aceitar essas perseguições em cima do servidor. Estão ocorrendo afastamentos, uma série de transferências de pessoas que se envolveram no movimento grevista. É como se o direito democrático estivesse sendo retirado e o sindicato está trabalhando sim com essa possibilidade de greve, não vamos admitir essa forma de perseguição. O secretário precisa rever sua postura, pois as melhorias que são tão divulgadas e publicadas ainda não chegaram ao sistema prisional”, explicou.

O sistema prisional passa por uma forte crise. Na sexta-feira (6) aconteceu uma rebelião na Penitenciária de Esperantina que culminou na fuga de 75 presos, sendo que 20 já foram recapturados. “O que a gente vê é um caos total no sistema prisional do Piauí, que é praticado pelo secretario Daniel Oliveira, temos pessoas que estão sofrendo amargamente com a sua péssima gestão", destacou o vice-presidente do Sinpoljuspi.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Daniel Oliveira  Daniel Oliveira

Nota

A Sejus divulgou uma nota na manhã desse sábado (7), onde informou que a suspensão dos agentes ocorreu porque eles foram omissos em suas obrigações legais quanto ao controle de entrada e saída de pessoas da unidade penal. "Entre as atribuições, regulamentadas pelo Estatuto da Carreira Pessoal Penitenciários (Lei 5.377/2004), estão fazer rondas periódicas, fiscalizar o trabalho e comportamento da população carcerária, informar às autoridades competentes sobre as ocorrências surgidas no seu período de trabalho e fiscalizar a entrada e saída de pessoas e veículos dos estabelecimentos penais, incluindo execução de serviços de revistas corporais. De acordo com a Secretaria de Justiça, o plantão descumpriu todas essas determinações, que estão dispostas no artigo 7º do Estatuto dos Agentes Penitenciários", destacou a nota.