Brasil

STF concede prisão domiciliar a ex-médico que estuprou 37 pacientes

Roger Abdelmassih foi condenado a 181 aos de prisão.

NAYRANA MEIRELES

- atualizado

O ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros de 37 pacientes, deve deixar a penitenciária em Tremembé, São Paulo, após obter decisão favorável no Supremo Tribunal Federal (STF) para cumprir prisão domiciliar novamente.

De acordo com informações do G1, a decisão é desta sexta-feira (29) e foi tomada pelo ministro Ricardo Lewandowski. Segundo a defesa de Roger Abdelmassih, a ordem de cumprimento da decisão chegou ao presídio ainda na noite de sexta-feira, por volta das 22h30. Apesar disso, o ex-médico ainda não deixou a unidade. Ele deve retornar ao apartamento da esposa, em São Paulo.

Segundo a decisão, o ministro levou em consideração o comportamento do ex-médico na prisão, além do atual quadro clínico de Abdelmassih. Ele está preso no presídio Doutor José Augusto Salgado desde o último dia 24 de agosto, após receber alta do Centro Hospital do Sistema Penitenciário, em São Paulo, onde tratava problemas cardíacos.

  • Foto: Evelson de Freitas/EstadãoRoger AbdelmassihRoger Abdelmassih

A defesa do ex-médico entrou com pedido de habeas corpus no STF alegando que Abdelmassih cumpriu todas as condições estabelecidas quando lhe foi concedida prisão domiciliar e que é idoso com problemas cardíacos. A decisão desta sexta concede novamente o benefício ao detento.

Roger Abdelmassih era considerado um dos principais especialistas em reprodução humana no Brasil e foi condenado a 278 anos de reclusão em novembro de 2010. Após três ano foragido, ele foi considerado o criminoso mais procurado de São Paulo.

Abdelmassih foi preso no Paraguai pela Polícia Federal (PF), em 19 de agosto de 2014.

Mais conteúdo sobre:

MAIS NA WEB