Polícia

STJ vai julgar novo recurso do advogado Virgílio Bacelar

O parlamentar foi morto com um tiro de escopeta, na porta de casa, no Planalto Ininga, zona leste de Teresina.

GIL SOBREIRA

O Superior Tribunal de Justiça vai julgar, no próximo dia 18 de outubro, a partir das 14:00 horas, os Embargos de Declaração interpostos pelo advogado Virgílio Bacelar de Carvalho, acusado de ser o mandante do assassinato do deputado Abraão Gomes de Oliveira executado com um tiro de escopeta, na porta de casa, no Planalto Ininga, zona leste de Teresina, no final da tarde do dia 29 de agosto de 1989 quando retornava da Assembleia Legislativa do Piauí.

A Quinta Turma do STJ negou provimento,  por unanimidade, ao agravo regimental interposto pelo advogado, em 15 de setembro de 2016.

Caso os embargos não sejam acolhidos o advogado deverá ser submetido a novo Tribunal Popular do Júri.

Entenda o caso

Virgílio ingressou com habeas corpus no STJ após o Ministério Público do Estado do Piauí interpor recurso de apelação, provido pelo Tribunal de Justiça do Piauí, que anulou a decisão dos jurados e determinou que o advogado seja submetido a um novo júri popular. Segundo decisão do Tribunal de Justiça “a instalação da Sessão do Júri com o comparecimento número inferior a (15) quinze jurados eiva-se de nulidade absoluta a decisão do conselho de sentença, devendo, neste caso, o réu ser submetido a novo julgamento”.

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, já havia negado monocraticamente seguimento ao habeas corpus, em 23 de junho de 2015. Segundo a decisão do ministro “as questões apresentadas na presente impetração já foram objeto de exame pelo Superior Tribunal de Justiça, o que impede esta Corte, em sede de habeas corpus, reapreciar seu próprio julgado”.


Link do texto:

STJ vai julgar novo recurso do advogado Virgílio Bacelar
http://www.gp1.com.br/noticias/stj-vai-julgar-novo-recurso-do-advogado-virgilio-bacelar-402752.html

© 2007-2016 GP1 - O Primeiro Grande Portal do Piauí. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.