Brasil

Supremo Tribunal Federal realiza simulação de incêndio e funcionários desocupam prédio central

Cerca de 200 servidores aguardaram na Praça dos Três Poderes.

G1

O Supremo Tribunal Federal realizou uma simulação de incêndio em seu prédio principal. Durante o exercício, o local foi desocupado e cerca de 200 ser vidores se aglomeraram na Praça dos Três Poderes.

De acordo com a brigada de incêndio do STF, apenas cinco pessoas não deixaram o prédio.

Uma delas foi o diretor-geral do tribunal, Amarildo Vieira. "Não dá nunca para ter adesão 100%, né? Só quando é valendo mesmo", disse o coordenador do treinamento, o chefe de brigada Tiago Bonfim.

A simulação envolveu todos os funcionários e visitantes que se encontravam no edifício-sede, onde fica, por exemplo, o plenário da Suprema Corte. O procedimento durou pouco mais de 20 minutos.

A rede interna do STF mantinha um aviso sobre a simulação, informando a data, mas não o horário – o que manteria um mínimo de surpresa para o treino. Além do texto informando o ponto de encontro, o aviso possuía vídeos instrutivos sobre como os funcionários deveriam abandonar o prédio.

Tanto a Rádio como a TV Justiça, cujas estruturas se localizam no prédio principal do Supremo, já haviam realizado exercícios semelhantes em abril.

Segundo Bonfim, outras simulações previamente informadas serão feitas nos demais edifícios do tribunal, antes que comecem a ser realizadas simulações sem aviso anterior. "O Supremo ainda é cru neste quesito de abandono", disse o coordenador do treinamento. A ideia é que os próximos treinamentos já tenham elementos mais "realistas".


Link do texto:

Supremo Tribunal Federal realiza simulação de incêndio e funcionários desocupam prédio central
http://www.gp1.com.br/noticias/supremo-tribunal-federal-realiza-simulacao-de-incendio-e-funcionarios-desocupam-predio-central-249543.html

© 2007-2016 GP1 - O Primeiro Grande Portal do Piauí. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.