Piauí

TCE aprova contas da Secretaria Estadual de Planejamento de 2015

Para a diretora administrativo-financeiro da Seplan, Carmen Verônica, a aprovação das contas é resultado de um trabalho criterioso que vem sendo realizado no órgão.

RAISA BRITO

O Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) aprovou, durante sessão desta quinta-feira (20), as contas referentes ao exercício de 2015 da Secretaria de Estado do Planejamento.

Segundo a assessora Jurídica da Seplan, Débora Galvão, “a aprovação foi fruto do trabalho em equipe que vem sendo desempenhado na secretaria com a importante gestão do secretário de Estado do Planejamento, Antônio Neto, bem como da organização e comprometimento com os processos e contratos celebrados”.

Os auditores levaram em conta, entre outros pontos, o cumprimento da legalidade, eficiência, publicidade, impessoalidade e moralidade nos processos em trâmite na secretaria.

Para a diretora administrativo-financeiro da Seplan, Carmen Verônica, a aprovação das contas é resultado de um trabalho criterioso que vem sendo realizado no órgão. “O principal foco que buscamos é a realização de um trabalho eficiente com transparência. Para isso, foi necessário o envolvimento maior dos servidores com uma interligação com os órgãos de controle como a Controladoria Geral do Estado, a Secretaria de Estado da Fazenda, a Procuradoria Geral do Estado e, principalmente, com o Tribunal de Contas”, explicou.

Carmen destacou ainda que foram consideradas também as experiências de trabalho realizadas em órgãos maiores, como por exemplo, a Secretaria da Fazenda, onde os servidores são constantemente orientados sobre a melhor formalização dos processos de despesas e sobre novas práticas de realização dos processos.

Na gestão do secretário Antônio Neto também foi melhorada a estrutura da Gerência de Logística, tanto do reconhecimento do trabalho como foi aumentada equipe, onde a coordenação de contratos passou a ter pessoas responsáveis diretamente pela conferência de toda a documentação que deve estar contida nos processos, desde a solicitação até o pagamento, antes de ir para o Controle Interno (CI). “Ou seja, a intenção é que o CI já não encontre falhas. Esse trabalho de verificação é realizado por meio do acompanhamento das normas vigentes”, reforçou Carmem Verônica.