Piauí - Teresina

TJ nega liberdade para acusada de mandar matar cabo Claudemir

O acórdão do julgamento da 1ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça foi publicado no dia 07 de agosto no Diário da Justiça.

GIL SOBREIRA

- atualizado

A 1ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça negou, por unanimidade, habeas corpus a Maria Ocionira Barbosa de Sousa, ex-diretora do Hospital Areolino de Abreu, presa preventivamente desde 16 de dezembro de 2016, acusada de ser coautora do crime contra o policial do Bope, Claudemir Sousa. O acórdão do julgamento foi publicado no dia 07 de agosto no Diário da Justiça.

  • Foto: Divulgação/Polícia CivilOcionira e o cabo ClaudemirOcionira e o cabo Claudemir

No acórdão, ficou consignado que a manutenção da prisão de Maria Ocionira Barbosa de Sousa teve como motivação maior a necessidade de resguardar a ordem pública, “considerando o modus operandi do crime perpetrado pelo paciente, demonstrando sua periculosidade a tranquilidade do meio social”.

O crime

O cabo Claudemir Sousa foi assassinado com vários tiros, no dia 06 de dezembro de 2016, quando saia de uma academia localizada na avenida principal do bairro Saci, zona sul de Teresina. Nove pessoas foram indiciadas por participação no crime, entre elas, Maria Ocionira e Leonardo Ferreira Lima.