Piauí - Picos

TRE-PI nega embargos de declaração e mantém multa ao Padre Walmir

A representação foi impetrada pelo Partido Progressista (PP), alegando que o então pré-candidato à reeleição em 2016, promoveu três eventos que se configuraram como propaganda eleitoral extemporânea.

BÁRBARA RODRIGUES

- atualizado

Na segunda-feira (11), o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI) decidiu não aceitar Embargos de Declaração interpostos pelo prefeito de Picos, Padre Walmir de Lima (PT), contra decisão que aplicou multa de R$ 5 mil por propaganda eleitoral extemporânea.

A representação foi impetrada pelo Partido Progressista (PP), alegando que o então pré-candidato à reeleição em 2016, promoveu três eventos que se configuraram como propaganda eleitoral extemporânea. Um dos eventos foi o aniversário do Padre Walmir, Feijoada dos Amigos do Padre Walmir e Lançamento da Pré-campanha do Padre Walmir.

  • Foto: José Maria Barros/GP1Padre Walmir, prefeito de PicosPadre Walmir, prefeito de Picos

No dia 7 de fevereiro deste ano, ele foi condenado ao pagamento de multa. Inconformado com a decisão, ele chegou a ingressar com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas o pedido foi negado. Ele também ingressou com Embargos de Declaração no TRE-PI que foi julgado nessa segunda-feira.

Na decisão, a Corte Eleitoral, por unanimidade, decidiram acolher a preliminar de intempestividade do apelo para não conhecer dos Embargos de Declaração, por entender que ele apresentou o recurso fora do prazo.

Prefeito nega propaganda

Ao GP1, o prefeito de Picos chegou a divulgar nota negando ter feito propaganda e afirmando que “inicialmente, importante consignar que o Padre Walmir, durante as eleições de 2016, jamais praticou qualquer ilícito eleitoral, bem como qualquer ato contrário às normais relativas ao processo democrático-eleitoral foi praticado com sua anuência. Diante disso, esclarece-se que em primeira instância, o juiz da 10ª Zona Eleitoral de Picos, Geneci Benevides Ribeiro, a julgou improcedente por entender que não teria ocorrido a alegada propaganda eleitoral extemporânea. Na segunda instância, o Ministério Público Eleitoral opinou pela manutenção da sentença do juiz, por também não ter identificado qualquer propaganda eleitoral extemporânea praticada pelo Prefeito Padre Walmir durante as eleições de 2016”.

MAIS NA WEB