Piauí - Teresina

TRE-PI vai investigar doação da Odebrecht para Firmino Filho

Alexandre Barradas, ex-diretor da Odebrecht, relatou em sua delação como ocorreu o acordo para doação, via caixa 2, para a campanha de Firmino nas eleições de 2012.

GIL SOBREIRA

- atualizado

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região declinou da competência e decidiu enviar o processo contra o prefeito Firmino Filhosobre caixa 2 com a Odebrecht para o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI). O despacho do desembargador Cândido Ribeiro é de 26 de julho deste ano e já chegou à Justiça Eleitoral.

Ao portal Viagora, o advogado do prefeito Lucas Villa explicou que o pedido partiu do Ministério Público Federal: “O próprio Ministério Público Federal fez o pedido do declínio da competência, esclarecendo que na investigação não ficou demostrando nenhum indício de que houvesse qualquer crime que não fosse de matéria eleitoral, portanto a competência seria só do Tribunal Regional Eleitoral. O desembargador apenas acolheu esse pedido”, afirmou.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Firmino FilhoFirmino Filho

Delação

Alexandre José Lopes Barradas, ex-diretor da Odebrecht Ambiental, relatou em sua delação como ocorreu o acordo para doação, via caixa 2, para a campanha de Firmino Filho nas eleições de 2012. De acordo com o executivo, Firmino pediu a “ajuda” pessoalmente, mas o valor só foi acordado com uma terceira pessoa, que seria primo do prefeito, de nome Alberto.

Segundo Alexandre, foram pagos R$ 500 mil a Firmino Filho e os pagamentos ‘a pretexto de doação eleitoral’ teriam ocorrido em 2012, quando o tucano foi eleito prefeito pela terceira vez prefeito de Teresina.

GP1 publica na integra o vídeo da delação de Alexandre José que cita Firmino Filho

O GP1 publica, na íntegra, o vídeo da delação do ex-diretor da Odebrecht Ambiental, Alexandre José Lopes Barradas, onde é citado encontro, ocorrido no segundo semestre de 2012, com o então candidato a prefeito Firmino Filho.

Na delação, feita aos membros do Ministério Público Federal, Alexandre José Lopes Barradas, narra, com riqueza de detalhes, encontro em restaurante no Aeroporto de Brasília quando Firmino afirmou que contava com a ajuda financeira da Odebrecht.

O dinheiro, segundo o delator, seria para a campanha eleitoral e o contato posterior seria feito por um primo de Firmino de nome “Alberto”.

Tempos depois, narra o delator, ele recebeu um telefonema de Alberto afirmando que o candidato teria virado nas pesquisas.

Firmino Filho teria recebido por intermédio de Caixa 2 a quantia de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais).

A Odebrecht teria interesse na concessão dos serviços de saneamento básico de Teresina, que estava nas mãos da Agespisa.

As investigações em relação ao prefeito Firmino Filho terão prosseguimento no Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, após o declínio da competência feito pelo desembargador Candido Ribeiro, do Tribunal Regional Federal da 1ªRegião.

Confira o vídeo na íntegra:

MAIS NA WEB