Política

TSE revoga prisão domiciliar e manda soltar Anthony Garotinho

Maioria dos ministros entendeu que político não apresenta risco às investigações.

NAYRANA MEIRELES

- atualizado

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) derrubou na noite desta terça-feira (26), a prisão domiciliar do ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PR).

De acordo com informações do G1, o político chegou a ser preso há duas semanas, após ser condenado na primeira instância da Justiça Eleitoral a 9 anos, 11 meses e 10 dias de reclusão, além de multa de R$ 210.825,00. A pena, no entanto, havia sido transformada em prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica e outras restrições.

Na decisão, a maioria dos ministros do TSE derrubou essas restrições, que também incluíram proibição de contrato com qualquer outra pessoa, exceto seus familiares, e de uso de celulares, internet ou outros meio de comunicação. Apesar de já ter sido condenado, Garoinho só deverá cumprir a pena se tiver a sentença confirmada em segunda instância, o que não tem prazo para ocorrer.

  • Foto: Wilton Junior / Estadão ConteúdoAnthony GarotinhoAnthony Garotinho

Dentre os 7 ministros da Corte, votaram para derrubar as medidas os ministros Tarcísio Vieira de Carvalho, Napoleão Nunes Maia Filho, Admar Gonzaga e Gilmar Mendes. Pela manutenção das restrições votaram Rosa Weber e Herman Benjamin. O ministro Luiz Fux não participou do julgamento.

Anthony Garotinho foi condenado por comandar um esquema de fraude eleitoral quando era secretário de Governo de Campos, no Rio de Janeiro. Em troca de votos em candidatos a prefeito e vereadores em 2016, a prefeitura oferecia inscrições no programa Cheque Cidadão, que dá R$ 200 por mês a cada beneficiário.