Política

Wellington afirma que medidas tomadas por Temer pioram o país

"Eu tenho feito pelo Piauí muito, mas não somos uma ilha, um estado isolado do Brasil, então é preciso um esforço do governo federal para a gente poder superar isso", disse Wellington.

BÁRBARA RODRIGUES

- atualizado

A Câmara Federal deve decidir nesta semana se irá ou não autorizar que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue a denúncia apresentada pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, contra Michel Temer (PMDB). Ao GP1 o governador Wellington Dias (PT) disse que mesmo com o presidente da república tendo o apoio da maioria dos partidos, ainda não é possível ter uma definição sobre o caso. Ele ainda criticou as recentes medidas tomadas pelo governo federal, afirmando que elas só pioram ainda mais a situação do país.

Wellington Dias afirmou que os recentes julgamentos estão sendo mais políticos, que jurídicos, por isso não há como dizer qual será a decisão dos deputados federais, mas disse ainda acreditar que os políticos podem tomar uma decisão com baseada em fatos.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Wellington DiasWellington Dias

“Eu não arriscaria [dizer a Câmara vai ou não autorizar]. Eu avalio que em tese, como os julgamentos estão sendo menos jurídicos e mais políticos, há em prol do atual presidente um número maior de parlamentares que o seguem na Câmara, que é quem tem o poder desse primeiro momento da definição. De qualquer maneira muitos fatos estão acontecendo todos os dias e é melhor confiar no Congresso e ver uma decisão que considere a coerência e uma base legal. Essa também vai ser um a oportunidade dele ter a sua defesa”, destacou o governo.

Wellington Dias explicou que a baixa aprovação do governo de Temer, que está em apenas 5%, mostra que as medidas que estão sendo tomadas pelo governo estão desagradando à população.

“Acho que influencia também a ruptura pela forma que aconteceu e junta-se a isso um conjunto de medidas que pioram a vida do país. Estamos no terceiro ano da recessão, é a primeira vez na história do Brasil que temos um momento como esse. Um desemprego muito elevado, temos alguns sinais positivos, pois caiu a recessão e é normal cair a inflação, da mesma forma os juros, que estão altos, mesmo tendo essa queda de 14% para 9,25%. É preciso ter medidas anticíclicas para fazer o país retomar crescimento”, criticou.

  • Foto: Demétrius Abrahão/Fotoarena/Estadão ConteúdoMichel TemerMichel Temer

Ele ainda fez críticas ao Programa de Demissão Voluntária (PDV) apresentada pelo governo, destacando que essa não é a medida para ajudar o país. “Quando a gente vive um momento onde precisamos mais empregos, o governo faz um programa de demissão. Quanto menos gente trabalhando, menos consumo e mais decresce a economia. Eu tenho feito pelo Piauí muito, mas não somos uma ilha, um estado isolado do Brasil, então é preciso um esforço do governo federal para a gente poder superar isso. O caminho, não tem outro. Investimentos públicos juntos com investimentos privados para crescer a massa de consumo, e assim vamos ter necessidade de mais emprego e é esse ciclo positivo que espero para ao Brasil”, finalizou.