GP1

Cibersegurança: um investimento ou apenas custo?

A cibersegurança é um ponto chave em qualquer negocio que lide com informações na internet

Os anos de 2020 e 2021 foram anos marcados pela pandemia de Covid-19, que trouxe muita tristeza e problemas. Porém foram também os anos de maiores crescimentos nas áreas da tecnologia.

Muitas empresas tiveram que se adaptar ao cenário do comércio fechado devido ao isolamento social e a alternativa era migrar para o comércio eletrônico.

Uma pesquisa realizada pela PayPal Brasil mostrou que a expansão do e-commerce no país, teve números expressivos em 2021, aproximadamente 1,59 milhão de lojas online, 22,05% a mais do que em 2020, quando o comércio digital saltou 40% em relação a 2019.

Esse crescimento, apesar de ser algo extremamente positivo, trouxe consigo grande problemas, um deles foi o crescimento dos crimes cibernéticos.

A empresa de consultoria alemã, Roland Berger, relatou que o Brasil é o quinto país do mundo em número de ataques de hackers contra empresas, atrás apenas de EUA, Reino Unido, Alemanha e África do Sul. Este cenário reflete a falta de investimento por parte das empresas para proteger seus dados online.

Prevenção X Remediação

Segundo o Relatório de Custo da Violação de Dados, da IBM, grandes empresas têm sido atacadas e gastam milhões para recuperar dados roubados por cibercriminosos e minimizar outros prejuízos. Paralelamente, empresas que investem em segurança da informação gastam menos da metade dos custos de violação de dados, quando comparadas às que não implementaram essas ferramentas de proteção, e esses ataques cibernéticos custam, em média, US$ 1,35 milhão por empresa no Brasil, 19% a mais do que no ano passado.

A maior parte do prejuízo desses ataques vem da perda de negócios e clientes, devido a vazamentos de dados e serviços offline. O perigo de um ataque é iminente e empresas de qualquer porte e área são alvos para os cibercriminosos, desde pequenas lojas online e portais de notícias, a grandes sites de varejo e hospitais, todos são passiveis de ataque.

Os anticorpos dos computadores também são importantes

Os setores mais lucrativos para os hackers maliciosos têm sido o da saúde, pois a sobrecarga devido ao aumento de pacientes de Covid-19, qualquer sequestro de dados ou hackeamento de um sistema de gerenciamento trará grandes problemas, tornando esse setor mais suscetível a atender os pedidos de pagamento de resgates exigidos pelos hackers maliciosos, para terem seus dados e sistemas restabelecidos.

As empresas têm melhorado suas técnicas de detecção de ataques e contramedidas, porém, os cibercriminosos também têm evoluído proporcionalmente em seus ataques e técnicas, tornando o papel do analista de sistemas essencial numa empresa.

O que tem ocorrido na atualidade é que as empresas estão deixando a porta aberta mais do que o normal, como quando alguém deixa sua porta aberta da casa, elas são invadidas. Investir em cibersegurança é se preparar para os novos desafios da era digital e isso será decisivo para a sobrevivência de várias empresas.

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.