Delegado Mamede Rodrigues diz que é prematura conclusão sobre morte de Fernanda Lages

Imagem: ReproduçãoClique para ampliarFernanda Lages Veras(Imagem:Reprodução)Fernanda Lages Veras
Presidente do inquérito que apura a morte da estudante de direito Fernanda Lages Veras, de 19 anos, cujo corpo foi encontrado ao amanhecer da última quinta-feira, dia 25,no pátio do prédio em fase de acabamento do Ministério Público Federal, na avenida João XXIII,  o delegado de policia Mamede Rodrigues Cardoso Vieira Neto, afirmou, às 23 horas, deste domingo (28), que "é prematura qualquer conclusão sobre a causa da morte" da garota, acrescentando que desde o inicio investiga várias  possibilidades. Na hipótese de se chegar à conclusão de que ela caiu do prédio, resta saber se Fernanda "se projetou ou foi projetada".

Mamede Rodrigues disse que a conclusão sobre as circunstâncias em que Fernanda morreu, passa pelo resultado de dois laudos que ainda não foram expedidos: o laudo pericial, sobre o levantamento do local da ocorrência e a "autopsia realizada pelo Dr. Nunes".

Para o delegado, existem muitas perguntas a serem respondidas na investrigação, como a intrigante sobre como Fernanda entrou no local sem ser percebida por vigilantes: "se ela entrou no prédio sem ser percebida, como conhecia o caminho que dá para o último andar da construção?".

Especulações

O delegado disse que prefere a cautela porque há muitas especulações que podem confundir a opinião pública, como a que foi colocada de que o assassino seria um engenheiro da obra e que ele já teria assinado um pedido de prisão preventiva."Em nenhum momento assinei qualquer pedido de prisão", afirmou Mamede Rodrigues.

Nos últimos dias houve muitas especulações.Chegou-se a colocar como fato consumado que o suposto engenheiro estava foragido, que a sua participação no crime teria sido colocada pela família de Fernanda.

O delegado demonstrou muito critério na liberação de informações.  Ele entende que o trabalho final da polícia a respeito desse caso só terá a aceitação da opinião pública se for muito bem materializado, sem deixar margem para dúvidas.

Reunião

No final da tarde de sábado (27) houve uma reunião a portas fechadas, na delegacia do quinto distrito, no Bairro dos Noivos, com a participação do secretário de Segurança Pública Raimundo Leite, o delegado-geral James Guerra, o delegado Mamede Rodrigues e mais dois policiais, em que ficou decidido que não haveria vazamento de informações que pudessem gerar especulações capazes de confundir o trabalho em andamento.

Nesse encontro o secretário Raimundo Leite, que desde o inicio disse para o delegado Mamede Rodrigues que lhe daria todo o apoio, garantiu que a policia civil chegaria ao final das investigações com um resultado convincente.

Depoimentos

Mamede Rodrigues prossegue nesta segunda-feira (29) com a investigação: vai ouvir duas amigas muito próximas de Fernanda, que estava com ela até poucos minutos antes da morte. O delegado também ouvirá um quarto vigilante, de uma loja próxima ao local do crime e que teria visto alguma coisa ao amanhecer da última quinta-feira (25).

Os investigadores do quinto distrito estão fazendo um levantamento minucioso sobre os dois últimos anos da vida de Fernanda, o que possibiltará um entendimento melhor sobre as suas últimas atitudes.

Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Bacharel em Direito, Feitosa Costa é jornalista desde 1977 e escreve a Coluna Política & Bastidores. Contato: (86) 98162 1515 / 99987 8114

Arquivo

    VEJA MAIS