Firmino Filho expõe pedestres a acidentes com sistema de trânsito

Na contramão dos projetos mais avançados e implantados nas cidades que são exemplo de mobilidade urbana ambiental, o modelo implantado em Teresina pelo prefeito Firmino Filho acabou com o transporte ciclístico (o mais incentivado em todo o mundo) e deixou os pedestres desprotegidos num largo raio em que foram construídas as chamadas estações de passageiros.

Teresina era conhecida pelo seu grande número de ciclovias pelas quais passavam um grande número de trabalhadores, hoje estimulados a utilizar o meio rodoviário por absoluta falta de segurança nos deslocamentos. A última ciclovia destruída foi a da Avenida Presidente Kennedy, que patrocinava uma bela paisagem todas as manhãs.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Prefeito Firmino FilhoPrefeito Firmino Filho

Além da Kennedy, não existe mais segurança nas ciclovias da Avenida Duque de Caxias da Avenida João XXIII, Miguel Rosa e Barão de Gurgueia.

EXCLUSIVAS

Confusão no trânsito

O projeto de Firmino não consegue compartilhar o uso do solo urbano com o transporte coletivo e o individual, causando engarrafamentos, congestionamentos e muita irritação aos usuários dos dois sistemas.

Tristeza na Kennedy

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Engarrafamento na Avenida Presidente KennedyEngarrafamento na Avenida Presidente Kennedy, no último sábado

Ficou claro no final da tarde do último sábado (13) a tristeza dos moradores e usuários de transportes rodoviários quando a implantação do sistema da prefeitura transformou a paisagem.

Mercado persa

Clientes do Comercial Carvalho da Kennedy, onde foi construída uma das chamadas estações (brincadeira) bem em frente, esgotaram o estoque de palavrões na direção dos responsáveis pela implantação do sistema.

Parece birra

Um engenheiro civil identificado por este repórter à saída do Carvalho da Kennedy, no final da tarde do último sábado, contava os semáforos instalados no curto espaço de 300 metros. Em seguida comentou: parece birra.

Acesso negado

Os motoristas que trafegarem a partir da rótula do São Cristóvão, pela Kennedy, pretendendo chegar ao estacionamento do Carvalho Mercadão não podem fazer mais fazer a conversão à esquerda em frente à Associação dos Economiários e logo em seguida entrar no estabelecimento.

Pedestres correm risco

Usuários do sistema coletivo correm sérios riscos de atropelamento quando entram e quando saem das chamadas estações de passageiros.

Semáforos não protegem

Semáforos instalados ao lado das paradas com passagens improvisadas não protegem a integridade física das pessoas.

Deformada

Na realidade, a Avenida Kennedy foi deformada e a coisa está tão mal acabada que construíram uma dessas chamadas estações de passageiros bem na saída da Ulisses Marques, avenida que estava sendo construída pela prefeitura. No local, qualquer estudante do primeiro ano de engenharia sabe que deveria ser uma rótula.

Virou piada

A construção da chamada estação de passageiros, bem na entrada ou na saída da Avenida Ulisses Marques, como queiram, virou piada.

Dizem que os engenheiros que estavam cuidando da Ulisses Marques não sabiam que colegas estavam planejando fechar a entrada da avenida.

Mondrongo

A entrada da Ulisses Marques pela Kennedy virou um verdadeiro "mondrongo".

Marcos Aires, que durante muito tempo lidou com cearenses, sabe muito bem o significado desta expressão.

Com um engarrafamento nunca visto naquele logradouro, considerado um dos mais bonitos e importantes corredores da capital do Piauí.

Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Bacharel em Direito, Feitosa Costa é jornalista desde 1977 e escreve a Coluna Política & Bastidores. Contato: (86) 98162 1515 / 99987 8114