Micro Empreendedor Individual domina abertura de empresas no estado

Os dados são da Junta Comercial. Até 20 de setembro de 2016, o Piauí registrou a abertura de 9.568 novos empreendimentos.

Desse total, 67,47% são constituídos por Microempreendedores Individuais (MEI).

 Ao ser enquadrado no Simples Nacional, o MEI ficará isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL) e pagará apenas o valor fixo mensal de R$ 45 (comércio ou indústria), R$ 49 (prestação de serviços) ou R$ 50 (comércio e serviços), que será destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS. Esses valores são atualizados anualmente, de acordo com o salário mínimo.

Para ser considerado MEI é preciso ganhar até R$ 60 mil anualmente e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. Há uma lista de profissões que garantem o direito, como açougueiro, cabeleireiro, comerciante, pintor, motoboy e taxistas.

O Microempreendedor Individual pode ter ainda um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria.

  • Foto: Dominus Comunicação IntegradaModo de se comportar nas redes sociais pode ocasionar puniModo de se comportar nas redes sociais pode ocasionar punições

Dica

Para quem gosta de redes sociais, fica o aviso. Antes de se definir uma contratação, seja estágio ou não, consultores e recrutadores costumam observar as postagens dos candidatos a vaga.

De certa forma, o que você publica é um pouco do que você é.

Brincadeiras, comentários e postagens inadequadas podem custar sua vaga no mercado de trabalho. Todo cuidado é pouco também para quem já está trabalhando.

Assim sendo, cuidado se vc está de atestado médico e posta foto nas redes curtindo uma praia.

Evite compartilhar informações confidenciais da empresa em que trabalha.

Opiniões preconceituosas e fazer parte de grupos discriminatórios também são pontos ruins. Bem como falar mal do chefe ou da empresa.

Xingar ou ofender as pessoas, aparecer bebado e fazer gestos obscenos complica a situação de empregados ou não.

E não adianta entrar na justiça. As redes sociais são publicas. As empresas têm se utilizado do Artigo 482 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para demissões por justa causa no caso de publicações que consideram inadequadas.

Quando a pessoa posta, ela está tornando aquilo público para a sociedade. Ou seja, deixa de ser privado.

Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Ricardo Moura Fé é jornalista. Noticias sobre economia & negócios. Contato: (86) 9976- 6945

Arquivo

    VEJA MAIS