Progressistas decidem não aceitar Regina Sousa na chapa

- atualizado

Reunidos na residência do senador Ciro Nogueira uma hora antes do anúncio da posição do partido sobre a exclusão da chapa majoritária do Governo da vice-governadora Margarete Coelho, os progressistas decidiram seguir com Wellington Dias, mas não aceitarão, "em hipótese alguma", um nome do PT para ocupar a outra vaga de senador da República. Em determinado momento, o nome de Regina Sousa foi mencionado.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Reunião do Progressistas na residência do senador Ciro NogueiraReunião do Progressistas na residência do senador Ciro Nogueira

Ficou claro que o partido "não deve ceder mais", segundo revelação de um deputado estadual do partido que acrescentou: "não sei se em caso contrário haverá rompimento, mas se aceitarmos seria muita demonstração de fraqueza. Não devemos mais ceder! Cabe agora ao PT".

  • Foto: Lucas Dias/GP1Senadora Regina Sousa durante encontro com representantes da Cooperativa de Transporte AlternativoSenadora Regina Sousa durante encontro com representantes da Cooperativa de Transporte Alternativo

Ciro Nogueira disse na reunião, diante de alguns movimentos de revolta, que o partido não tem condições de bancar uma candidatura ao Governo e vai manter o compromisso de apoiar integralmente Wellington Dias porque sempre argumentou que a candidatura de vice não seria condição para continuar na base do Governo "mas o governador prometeu que a chapa terá um nome por partido e que a coligação será uma só para deputado".

EXCLUSIVAS

Lenha na fogueira

Quando fez questão de dizer que o governador lhe garantiu que a chapa majoritária, composta de quatro membros (governador, vice e dois candidatos ao Senado) será composta com um nome de cada partido, o senador Ciro Nogueira colocou lenha na fogueira petista.

Briga é do PT

  • Foto: Lucas Dias/GP1Assis CarvalhoAssis Carvalho

Agora a briga vai ser dentro do PT porque Assis Carvalho garante que Regina Sousa será candidata à reeleição de senadora de qualquer maneira.

Flávio e Júlio se agitam

  • Foto: Lucas Dias/GP1Flávio NogueiraFlávio Nogueira

A declaração de Ciro de que Wellington garantiu um nome só por partido, forneceu farta munição para que Júlio Cesar (PSD) e Flávio Nogueira (PDT) entrem novamente na guerra pela outra vaga de candidato ao Senado.

O direito é meu

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Cantor Frank AguiarCantor Frank Aguiar

Presidentes de dois partidos importantes da base, o PSD com um federal e um estadual, o PDT com um estadual e um quase federal, Júlio César e Flávio Nogueira não aceitam perder a vaga para Frank Aguiar, o preferido do Karnak, filiado a um partido que só tem um estadual.

Prós e contras

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Deputado Federal, Júlio César participa de reunião na APPM Deputado Federal, Júlio César participa de reunião na APPM

Júlio César tem a seu favor a extraordinária insistência, além de um número grande de prefeitos que estão dispostos a apoiá-lo como o segundo nome do Governo para o Senado.

Flávio Nogueira tem a simpatia do PT por ser de um partido alinhado nacionalmente e ter sido fiel ao Governo Dilma quando assumiu uma cadeira na Câmara no período em que Marcelo Castro, por influência dos Piciani do Rio de Janeiro, ficou no Ministério da Saúde.

Caciques querem Júlio

O PT de Assis Carvalho, se não conseguir emplacar Regina Sousa, como tudo indica, prefere Flávio Nogueira, mas quase todos os outros dirigentes de partidos da base, principalmente os chamados caciques, preferem Júlio Cesar.

A tristeza de Margarete

  • Foto: Lucas Dias/GP1Margarete Coelho Margarete Coelho

A reunião que antecedeu o anúncio da posição do Progressistas em relação à composição da chapa do Governo foi marcada pela tristeza da vice-governadora Margarete Coelho.

Triste mas sabendo

Margarete Coelho estava triste, mas sabia há algum tempo que seria retirada da chapa encabeçada por Wellington Dias em benefício de um nome do MDB.

Tom de ressentimento

O tom do pronunciamento de Margarete Coelho, ontem pela manhã, na casa de Ciro Nogueira, foi de ressentimento. Ela disse claramente que as mulheres do Piauí perdem com a sua saída.

A esperteza do professor

Na Universidade Federal do Piauí, o assunto ontem foi matéria desta coluna sobre a manobra do professor Ricardo Brito, filho da vereadora Teresa Brito, para permanecer na Suécia depois de ter feito um doutorado de quatro anos às custas da Universidade.

Fantasma de Luxo

Ricardo entrou na Justiça para se transformar num "fantasma" de luxo e internacional: quer simplesmente que a Justiça determine que ele seja transferido para o setor de ensino à distância da Universidade Federal do Piauí e fique, a partir da Suécia, ministrando aulas e recebendo salário da instituição e da multinacional.

Assim é muito bom

O professor Ricardo, dizem, é muito preparado e como tal acha que merece uma vida doce, em Estocolmo enquanto seus colegas dão duro aqui em sala de aula, aguentando aluno de bermuda que se acha dono do mundo e querendo tudo de graça.

Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Bacharel em Direito, Feitosa Costa é jornalista desde 1977 e escreve a Coluna Política & Bastidores. Contato: (86) 98162 1515 / 99987 8114