Reinaldo Azevedo cita Cecília Meireles e manda Camila Pitanga estudar

Reproduzo abaixo texto publicado no blog do jornalista Reinaldo Azevedo na Revista Veja on-line e em seguida comento.

“Veta, Dilma!”, diz Camila Pitanga. “Estuda, Camila!”, diz a voz da razão! Ou: Camila à luz de Thomas Mann

Imagem: ReproduçãoClique para ampliarAtriz Camila Pitanga(Imagem:Reprodução)Atriz Camila Pitanga

















Sabem aquela cerimônia de entrega da baciada de títulos de “Doutor Honoris Causa” a Lula? A apresentadora do evento foi a atriz Camila Pitanga. Então ficamos assim: um grupo de dirigentes petistas de universidades públicas resolve entregar a distinção máxima ao chefe do petismo, sob a charmosa condução de uma atriz petista, filha e enteada de petistas. Parafraseando Monteiro Lobato, isento ali não era nem o trinco da porta. Refiro-me àquela cerimônia em que Lula leu um discurso recheado de clamorosas mentiras sobre a educação no país. O país tem pouco mais de 6 milhões de universitários — um milhão em cursos à distância, quase sempre uma picaretagem. Lula afirmou que são 12 milhões. Foi apenas uma das batatadas. Mas volto a Camila.

O escritor alemão Thomas Mann, na novela “Tonio Kröger” — pequeno e grandioso texto —, chega perto de sugerir que a beleza é, por si, uma espécie de pensamento. Ou mesmo que pode tomar o seu lugar, dispensando-o. Era um esteta, embora lembre que o culto ao belo pode conduzir à ruína, como em “Morte em Veneza”… Ô Deus! Tanta coisa boa de que falar em vez de tratar dessa canalha que está por aí…

Na cerimônia, Camila anunciou que quebraria o protocolo. Olhou para a presidente e mandou ver: “Veta, Dilma!”, aderindo à campanha em favor do veto ao Código Florestal. A governante sorriu apenas.

Temos, como se vê, uma nova especialista em meio ambiente e agricultura: Camila Pitanga. Ela é petista. Não me lembro se estava naquela patacoada contra Belo Monte — acho que não porque o partido não endossava aquilo. Aqueles eram os naturebas verdes, ainda mais desinformados que os naturebas vermelhos.

Ah, vendo Camila, eu me lembro de Thomas Mann e da novela “Tonio Kröger”. Que vontade, não é?, de proclamar que a beleza é mesmo uma categoria de pensamento, quase uma moral! As belas e os belos têm sempre uma enorme vantagem comparativa se souberem administrar tal ativo. Despertam a nossa tolerância. Só os muito ressentidos se irritam com a beleza. As almas mais exigentes tendem a se quedar encantadas diante da aparição. O que queria Arthur Miller com Marylin Monroe? Apropriar-se do intraduzível. Não suportou.

Muito bem! Camila, com toda a sua lindeza, exortando “Veta, Dilma!” faz-nos supor uma intensa ebulição intelectual, provocada pelo estudo e pela reflexão. Assim, além de toda aquela graça, há a boa causa a engrandecê-la. A “Bela” também se preocupa com o mundo em que se arrastam as feras. Irresistível!

Isto mesmo! “Veta, Dilma!” Expulsa, presidente, para a periferia das cidades milhares de famílias de pequenos agricultores! Não frustra, grande líder, as aspirações ecológicas dessa gente justa!

Como encerro este texto? Assim: “Vai estudar, Camila!” A beleza, como lamentou Cecília Meireles num poema, se extingue, e as pessoas sobrevivem a ela. Já o que se aprende se leva até o fim.

Por Reinaldo Azevedo
04/05/2012
às 19:44


Voltei.

Quem primeiro deveria estudar era o ex-presidente Lula, quando afirma que no Brasil existem 12 milhões de estudantes universitários. Ou é totalmente desinformado ou contumaz propagador de inverdades.

Pergunto-me qual o nível intelectual dessas ‘universidades’ quando dão a alguém o título de “Doutor Honoris Causa”, como é caso do Lula.

No caso da petista Camila Pitanga, faço minhas as palavras de Reinaldo Azevedo: “Vai estudar, Camila!”. A beleza, como lamentou Cecília Meireles num poema, se extingue, e as pessoas sobrevivem a ela. Já o que se aprende se leva até o fim.


Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Herbert Sousa é jornalista. Contato: (86) 9 8806-8907 / (86) 9 9436-9811