GP1

São Luís - Maranhão

Membro do Bonde dos 40 acusado de matar corretor em Teresina é preso

Ele era o único foragido da Operação "Codinome 40" e apontado como um dos executores do crime.

Um dos líderes da facção criminosa Bonde dos 40 no Piauí, identificado como Guilherme de Morais Duarte, acusado de executar o corretor de veículos, Francisco Ismael Rodrigues Soares, em dezembro de 2020, na Avenida Barão de Gurguéia, em Teresina, foi preso na manhã desta sexta-feira (02), pela Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Senarc), no bairro Alto do Calhau, na cidade de São Luís.

Guilherme de Morais Duarte, mais conhecido como Guigui, era o único foragido que não havia sido preso na Operação Codinome 40, deflagrada em junho deste ano. À época, a Polícia Civil divulgou a imagem dele com o objetivo de prendê-lo.

Foto: Reprodução/WhatsAppLíder do Bonde dos 40
Líder do Bonde dos 40

Em entrevista ao GP1, o superintendente da Senarc, em São Luis do Maranhão, delegado Breno Galdino, informou que após troca de informações de que o suspeito havia se evadido para a Capital maranhense, os policiais da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico passaram a fazer levantamentos, até localizá-lo em um apartamento. Ele encerraria hoje o contrato de aluguel e já se preparava para fugir para outro endereço ainda incerto.

“Nossa rede de trabalho sempre está monitorando as facções e os policiais estavam em contato com o pessoal do crime organizado e eles passaram a informação para a gente que esse homem tinha se evadido aqui para São Luís. Então, ficamos monitorando ele e descobrimos que o procurado tinha alugado um apartamento no bairro Alto do Calhau. Pegamos a discrição do veículo que ele estava rodando e montamos campana em frente ao local onde ele estava morando e no momento em que ele chegava no apartamento realizamos a prisão dele por volta de 11h30min. Ele já estava indo encerrar o aluguel, ou seja, ele iria mudar de lugar de novo”, explicou o delegado.

Com ele foi encontrado ainda um documento falso, que era utilizado na tentativa de burlar qualquer fiscalização que pudesse chegar até ele, tendo em vista que ele tinha conhecimento que estava sendo procurado pela Polícia Civil do Estado do Piauí. “O suspeito estava vivendo uma vida normal e utilizando documento falso”, acrescentou o superintendente.

Operação Codinome 40

Após o assassinato do corretor, ocorrido em 02 de dezembro de 2020, os policiais do DHPP se debruçaram nas investigações que logo apontaram as participações de várias pessoas, que tinham ligação com a facção criminosa denominada Bonde dos 40, do qual a vítima fazia parte e tinha peça fundamental, que era lavar o dinheiro proveniente do grupo.

Durante os levantamentos, que contaram com o apoio maciço do GAECO, foi possível identificar, pelos menos nos últimos três meses anteriores a sua morte, que o corretor Francisco Ismael movimentou a bagatela de R$ 2 milhões, o que chamou atenção dos investigadores.

Com a Operação Codinome 40, os policiais conseguiram chegar até os alvos: sete foram presos, sendo que, além de Guilherme, quatro deles tiveram participação direta na execução.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.