GP1

Mundo

Médicos russos são acusados de bloquear a transferência de opositor

Navalni, o crítico mais persistente do presidente Vladimir Putin, foi levado às pressas para o hospital na cidade siberiana de Omsk na quinta-feira, 21.
Por Estadão Conteúdo

Um hospital russo se recusa a permitir que o mais destacado líder da oposição na Rússia, Alexei Navalny, seja transferido para o exterior para tratamento após uma suspeita de envenenamento, disse a porta-voz do líder da oposição nesta sexta-feira, 21, criando um impasse potencial entre os dois países.

Navalni, o crítico mais persistente do presidente Vladimir Putin, foi levado às pressas para o hospital na cidade siberiana de Omsk na quinta-feira, 21, após parecer ter sofrido dores agonizantes em um voo doméstico após beber uma xícara de chá no aeroporto da cidade siberiana de Tomsk.

Navalni perdeu a consciência antes de ser hospitalizado. Sua porta-voz, Kira Yarmysh, disse em um post no Twitter na sexta-feira que o médico-chefe do hospital na Sibéria estava impedindo qualquer transferência porque “sua condição não era estável o suficiente”.

Na noite anterior, as autoridades regionais de saúde haviam dito que um grupo de médicos russos das mais prestigiadas instituições médicas de Moscou estavam viajando para a Sibéria para ajudar a tratar Navalni, mas a família do líder da oposição e seus apoiadores insistiam em que ele fosse enviado ao exterior para tratamento adicional.

Yarmysh escreveu que a recusa em permitir a transferência de Navalni foi efetivamente "um atentado contra sua vida sendo executada agora por médicos e as autoridades fraudulentas que o autorizaram".

Anatoli Kalinichenko, médico-chefe adjunto do hospital de Omsk, disse a repórteres na manhã de sexta-feira que os médicos não encontraram nada que apoiasse a ideia de que Navalni foi envenenado.

Ele não explicou, no entanto, por que um homem saudável de 44 anos adoeceu de maneira tão repentina e violenta. Houve especulação entre os apoiadores de Navalni de que a Rússia não queira que Navalni saia do país porque médicos alemães poderiam descobrir a causa de sua doença.

As imagens do avião com destino a Moscou, compartilhadas nas redes sociais na quinta-feira, gravaram Navalni gemendo de dor ao ser retirado da aeronave antes de perder a consciência, e o avião fez um pouso de emergência em Omsk. Ele foi transportado em uma maca para uma ambulância que esperava na pista.

Os médicos do Hospital Clínico No. 1 em Omsk disseram inicialmente que Navalni estava com um respirador em estado grave, mas depois relataram que sua condição, embora ainda grave, havia se estabilizado.

A pedido da família de Navalni, o produtor cinematográfico de Berlim Jaka Bizilj disse que sua fundação estava voando em uma ambulância aérea para Omsk e esperava levar Navalni a um hospital de Berlim. Bizilj disse em uma entrevista na sexta-feira que o avião pousou naquela manhã e ainda estava esperando a chance de trazer Navalni a bordo e levá-lo a Berlim.

“Eu disse à tripulação para ficar lá e não voar de volta sem Navalni”, disse ele, acrescentando que as negociações continuavam com as autoridades russas. “Até agora tem sido uma iniciativa humanitária, para ajudar a salvar alguém cuja vida está ameaçada, mas agora parece ser uma coisa política.”

Em 2018, Bizilj, cuja Fundação Cinema for Peace ajudou a produzir um documentário sobre o grupo musical russo Pussy Riot, organizou uma transferência para Berlim para um dos membros da banda, Pyotr Verzilov, após ele dizer que havia sido envenenado.

Bizilj disse que Verzilov perguntou a ele na quinta-feira se ele poderia ajudar a providenciar o mesmo para Navalni. Ele disse na quinta-feira que a maior preocupação era se o opositor russo estaria estável o suficiente para viajar no vôo de cinco horas.

Yarmysh, que estava viajando com Navalni na Sibéria quando ele adoeceu, disse que ele foi envenenado, provavelmente por algo colocado em seu chá no aeroporto de Tomsk, e ficou inconsciente.

Como seus apoiadores disseram que Navalni estava lutando contra a morte, as especulações sobre um possível assassinato político aumentaram, especialmente depois que seu médico pessoal e uma colega ativista da oposição, Anastasia Vasilyeva, foram proibidas de ver seus seus registros médicos e entrar na unidade de terapia intensiva onde ele estava sendo tratado.

Yarmysh disse na quinta-feira que a esposa de Navalni, Yulia, foi autorizada a entrar em sua enfermaria após um atraso, mas que os documentos necessários para levá-lo de Omsk a um hospital em outro lugar não foram fornecidos.

A chanceler Angela Merkel, da Alemanha, e o presidente Emmanuel Macron, da França, reunidos em Paris, ofereceram sua assistência, incluindo ajuda médica e possível asilo. O Kremlin disse inicialmente que facilitaria a transferência de Navalni mediante solicitação, mas pareceu recuar na sexta-feira, após os médicos em Omsk alegarem que a saúde Navalni é “frágil demais” para entrar num avião.

As mensagens contraditórias das autoridades aumentaram as suspeitas de que querem atrasar a partida de Navalni para evitar o tratamento por médicos estrangeiros, que teriam maior probabilidade de identificar publicamente qualquer veneno remanescente.

O Kremlin, que desejou uma recuperação rápida a Navalni, insistiu na quinta-feira que era muito cedo para dizer o que causou sua doença.

A assessora de Navalni, Yarmysh, twittou que Ivan Zhdanov, o diretor da organização de Navalni, a Fundação Anticorrupção, foi informado pela polícia no hospital de Omsk que o veneno dentro dele era perigoso não apenas para o paciente, mas para aqueles ao seu redor.

Mas a polícia, de acordo com o relato de Yarmysh sobre o que disse a Zhdanov, não revelou o nome do veneno por causa da "confidencialidade da investigação", um termo frequentemente usado na Rússia quando as autoridades querem esconder informações embaraçosas ou prejudiciais.

A agência de notícias estatal, Tass, citou uma fonte não identificada de aplicação da lei dizendo que Navalni poderia ter “tomado algo por conta própria” antes de embarcar no avião. Mas ele se juntou a uma longa lista de oponentes de Putin que foram subitamente afetados por emergências médicas bizarras e às vezes fatais, muitas vezes após beber chá.

NOTÍCIA RELACIONADA

Opositor russo Navalny é internado com sintomas de envenenamento

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.