GP1

Mundo

Donald Trump é banido do Facebook por tempo indefinido, diz Mark Zuckerberg

Trump já tinha sido suspenso da plataforma depois de publicar incitações ao manifestantes.
Por Estadão Conteúdo

O presidente Estados Unidos, Donald Trump, foi expulso do Facebook e do Instagram por tempo indefinido e até, pelo menos, o fim de seu mandato, dia 20 de janeiro, segundo informou o diretor-executivo da plataforma, Mark Zuckerberg.

"Acreditamos que os riscos de permitir que o presidente continue a usar nosso serviço durante este período são simplesmente grandes demais", escreveu Zuckerberg ao anunciar a decisão.

"Portanto, estamos estendendo o bloqueio que colocamos em suas contas do Facebook e Instagram indefinidamente e por pelo menos as próximas duas semanas até que a transição pacífica de poder seja concluída".

Já o Twitter, por sua vez, proibiu Trump de postar por 12 horas ou até ele excluir as publicações que foram consideradas de incitação à violência.

A plataforma também alertou o presidente de que, caso volte a postar conteúdos que incitem à violência, ele também será banido do Twitter, que é a sua rede social mais utilizada.

Ao longo da quarta-feira, Trump emitiu mensagens simpáticas aos manifestantes. Mesmo quando gravou um vídeo os pedindo para irem para casa, disse que “os amava” e eles eram “muito especiais”.

Suspensão da conta de Trump

O Facebook e o YouTube retiraram na quarta-feira á noite do ar um vídeo em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alega, sem provas, que a eleição presidencial dos EUA foi fraudada, mas pede que os manifestantes que invadiram o Capitólio voltem para a casa.

O vice-presidente de integridade do Facebook, Guy Rosen, tuitou que a empresa de mídia social retirou o vídeo por acreditar que a decisão diminui o risco de violência.O Twitter também limitou o compartilhamento do vídeo e uma publicação de Trump “por conta de um risco de violência”, enquanto manifestantes invadiram o Capitólio dos EUA buscando forçar o Congresso a reverter a derrota eleitoral do atual presidente.

A empresa responsável pela rede social anunciou que tomaria ações contra ameaças e pedidos de violência e que restringiu “de maneira significativa o engajamento” com publicações rotuladas com sua política de integridade cívica, devido ao risco de violência. O Twitter disse que tais publicações não poderão ser respondidas, compartilhadas ou curtidas.

Nos tuítes, Trump continuou a fazer a afirmação infundada de que a eleição foi fraudulenta. No vídeo, ele também pediu que os manifestantes fossem para casa.

Trump e seus aliados espalharam de maneira contínua afirmações falsas sobre fraudes no processo eleitoral e que proliferaram em plataformas como o Twitter e o Facebook.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.