GP1

Mundo

Venezuela começa vacinação contra o novo coronavírus

O presidente Nicolás Maduro disse na quarta-feira, 17, que a imunização seria iniciada por “todo o pessoal de saúde” e “dos grupos prioritários”.
Por Estadão Conteúdo

Venezuela começou sua campanha de vacinação contra a covid-19 nesta quinta-feira, 18, sob acusação de favorecer políticos chavistas, que recentemente retomaram o controle do Parlamento após eleições consideradas fraudulentas pela oposição e rejeitadas por dezenas de países.

O país tem, até o momento, 100 mil doses da vacina russa Sputnik V. O presidente Nicolás Maduro disse na quarta-feira, 17, que a imunização seria iniciada por “todo o pessoal de saúde” e “dos grupos prioritários”.

Em seu anúncio, o presidente afirmou que serão vacinados também deputados, agentes de segurança e outros funcionários do governo, dominado por chavistas – incluindo ele, de 64 anos, e sua esposa, Cilia Flores, de 58 anos.

O plano de vacinação inclui "autoridades que pelo trabalho de rua justifiquem (...) sua proteção especial para que o Estado continue sua marcha” justificou Maduro, lembrando a morte de vários prefeitos e funcionários do chavismo por covid-19.

O líder da oposição, Juan Guaidó, reagiu no Twitter. “Os critérios para a aplicação da vacina devem priorizar o setor de saúde e os idosos, não aqueles que sequestram o poder, como o ditador pretende fazer”, escreveu ao compartilhar o tuíte de um jornalista venezuelano sobre o caso. “A propósito, o custo da vacina russa para o mercado externo é inferior a US$ 10. Se a ditadura diz que investiu US$ 200 milhões para trazer 10 milhões de doses do Sputnik V, estamos falando que cada vacina custou US$ 20”, completou.

O estoque de vacinas recebido até o momento representa 1% do total acertado em novembro entre Rússia e Venezuela. A vacinação em massa será iniciada em abril.

Além das 10 milhões de doses adquiridas da Rússia, a Venezuela reservou entre 1,4 e 2,4 milhões de vacinas AstraZeneca por meio do sistema Covax, liderado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

No entanto, essas doses não conseguiram chegar à Venezuela, já que o país não pagou sua dívida com a OPAS, braço da OMS na região, disse na sexta-feira Alena Douhan, relatora especial da ONU. O primeiro prazo de pagamento expirou na terça-feira.

Com 30 milhões de habitantes, a Venezuela, que participou dos ensaios clínicos da Sputnik V, soma 133.927 casos confirmados e 1.292 mortes por covid-19, segundo dados oficiais, questionados por organizações como a Human Rights Watch.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.