GP1

Mundo

Casa Branca avalia se deve enviar vacinas a outros países

Especialistas advertem que americanos estariam perdendo a chance de conter avanço de China e Rússia.
Por Estadão Conteúdo

O presidente Joe Biden enfrenta uma pressão crescente para distribuir vacinas contra o coronavírus para outros países em resposta às agressivas campanhas de “diplomacia vacinal” da China e da Rússia, uma medida que ele rejeitou até agora, enquanto milhões de americanos ainda buscam imunizações com urgência.

Os esforços da China, em particular, serão o foco de uma reunião nesta quinta-feira entre Biden e os líderes de Austrália, Índia e Japão. Assessores dizem que os quatro líderes podem discutir um acordo de princípio para distribuir os excedentes de vacinas depois que as necessidades de suas populações forem atendidas.

Os adversários autoritários dos Estados Unidos – que não se preocupam com a opinião interna – estão livres para enviar vacinas a países do México ao Usbequistão.

Isso desatou um debate dentro do governo sobre como equilibrar a segurança nacional, as necessidades humanitárias e as preocupações políticas. Ativistas e especialistas alertam que os EUA podem estar perdendo uma oportunidade única de reconquistar a influência mundial após o isolacionismo do governo de Donald Trump.

J. Stephen Morrison, diretor do Global Health Policy Center do Center for Strategic and International Studies, disse que o governo Biden não deve subestimar o risco de perder em uma disputa de poder que as nações autoritárias poderiam explorar durante anos. “Os chineses e russos estão avançando em sua diplomacia de vacinas e estão ganhando amigos, influenciando pessoas e expandindo sua esfera de influência”, disse.

Pequim, por exemplo, prometeu entregar vacinas chinesas a mais de 50 países, incluindo o Paquistão, cuja cooperação é a chave para uma retirada militar bem-sucedida dos EUA do Afeganistão, e das Filipinas, uma base para as operações dos EUA no Sudeste Asiático e tradicionalmente um baluarte contra a expansão militar chinesa.

A Rússia está se esforçando para elevar o perfil de sua vacina Sputnik V, buscando vários acordos de licenciamento. Os defensores da vacina russa assinaram um acordo na terça-feira que pode abrir caminho para a produção na Itália, um passo potencialmente grande na expansão dos esforços de Moscou para o Ocidente.

Krishna Udayakumar, diretor do Duke Global Health Innovation Center, disse que os EUA estão “perdendo a oportunidade de afirmar com mais firmeza sua liderança no cenário global”. Segundo ele, os EUA poderiam doar mais vacinas para outros países sem afetar significativamente a disponibilidade para os americanos.

Biden decepcionou o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador na semana passada ao descartar a possibilidade de doação de vacinas dos EUA, por enquanto.

Ainda assim, a reação entre os americanos pode ser explosiva se Biden fornecer vacinas para outros países, enquanto muitos nos EUA ainda não foram imunizados. “Se tivermos um excedente, vamos compartilhá-lo com o restante do mundo”, disse Biden na quarta-feira, quando pressionado sobre o assunto. “Vamos começar garantindo que os americanos sejam atendidos primeiro, mas depois tentaremos ajudar o restante do mundo.”

A declaração foi feita após o anúncio de que os EUA garantiram 100 milhões de doses a mais da vacina de dose única desenvolvida pela Johnson & Johnson, elevando o fornecimento projetado para os EUA muito além do número de americanos na fila para receber as vacinas este ano.

Mais de 30 milhões de pessoas nos EUA – cerca de 10% da população – foram totalmente vacinadas. O país tem uma média de 2,1 milhões de doses administradas por dia, ante cerca de 1,5 milhão um mês atrás.

A demanda ainda supera a oferta na maior parte do país, mas isso está começando a mudar. O governo afirmou que garantiu fornecimento suficiente para oferecer a todos os adultos americanos uma vacina até o final de maio, embora as autoridades alertem que ter a vacina em mãos não é o mesmo que ter as doses administradas, em razão de desafios como acesso a áreas remotas e a resistência de algumas comunidades em se vacinar.

Se tudo correr bem, os EUA terão um excesso de oferta de vacina ainda este ano. O governo não disse quanta vacina considera suficiente, ou que limite estabeleceria antes de considerar a exportação de vacinas.

Os EUA se juntaram à Covax, um consórcio internacional de vacinas que busca tornar a distribuição de vacinas mais justa. E Biden pareceu esta semana estar lançando as bases para o argumento de que, ao proteger outras nações, os EUA também estariam protegendo os americanos. “Isso (o vírus) não é algo que pode ser interrompido por uma cerca, não importa a altura que você construa uma cerca ou muro. Portanto, não estaremos definitivamente seguros até que o mundo esteja seguro”, disse.

Biden apostou o sucesso de sua presidência em um esforço total para superar a pandemia do coronavírus, que matou mais de 528 mil americanos e prejudicou o país por um ano. A vacinação rápida é fundamental para reabrir empresas e escolas. Os conselheiros de Biden dizem que sua abordagem prática para a pandemia foi um fator importante na derrota do ex-presidente Trump e ele deve ajudar os americanos antes de tudo.

Biden está navegando em um cenário político complexo quando se trata do coronavírus. Todos os republicanos no Congresso votaram contra seu pacote de estímulo econômico de US $ 1,9 trilhão nesta semana, mas os republicanos estão saudando os esforços nacionais de implantação de vacinas.

Alguns ativistas e acadêmicos alertaram que, por razões morais e estratégicas, o governo Biden não deve esperar muito para ajudar outros países necessitados.

The ONE Campaign é um dos vários grupos de defesa que incentivam o governo a compartilhar o estoque dos EUA com os países que não podem adquirir as vacinas, assim como a traçar um plano de distribuição para as doses em excesso.

O secretário americano de Estado, Antony Blinken, chamou a China de “maior teste geopolítico do mundo”. Ele e outros funcionários do governo se comprometeram a conter os esforços chineses para ganhar influência e dependência financeira entre as nações da África e em outros lugares, e impedir as tentativas chinesas de obter influência dentro de órgãos internacionais como a Organização Mundial da Saúde.

Blinken e o conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, se encontrarão com seus colegas chineses na próxima semana.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.