GP1

Mundo

Papa Francisco visita cidade no Iraque devastada pelo Estado Islâmico

Para o Vaticano, a presença contínua de cristãos no Iraque é vital para manter vivas as comunidades de fé que existem aqui desde o tempo de Cristo.
Por Estadão Conteúdo

O Papa Francisco fez um apelo enfático pela coexistência pacífica no Iraque neste domingo, 7, enquanto orava pelos mortos de guerra do país em meio às ruínas de quatro igrejas demolidas em Mosul, que sofreram ampla destruição na guerra contra grupos do Estado Islâmico (EI).

Francisco viajou ao norte do país no último dia de sua visita histórica para ministrar ao número cada vez menor de cristãos do país, que foram forçados a deixar suas casas em massa quando militantes do EI alcançaram vastas áreas do norte do Iraque no verão de 2014. Sob forte segurança, tornou-se o 1º chefe da Igreja Católica a visitar o Iraque.

Poucos voltaram nos anos desde que o EI foi derrotado em 2017; Francisco foi ao Iraque para encorajá-los a ficar e ajudar a reconstruir o país e restaurar o que ele chamou de "tapete elaborado" de fé e grupos étnicos.

Para o Vaticano, a presença contínua de cristãos no Iraque é vital para manter vivas as comunidades de fé que existem aqui desde o tempo de Cristo. Em uma cena inimaginável apenas quatro anos atrás, o pontífice montou um palco em uma praça da cidade cercada pelos restos de quatro igrejas fortemente danificadas pertencentes a alguns dos inúmeros ritos e denominações cristãos do Iraque. Uma multidão exultante o acolheu.

"Quão cruel é que este país, o berço da civilização, tenha sido afligido por um golpe tão bárbaro, com antigos locais de culto destruídos e milhares de muçulmanos, cristãos, yazidis - que foram cruelmente aniquilados pelo terrorismo e outros deslocados à força ou mortos ”, disse Francisco.

O papa Francisco se desviou de seu discurso preparado para abordar a situação da minoria Yazidi do Iraque, que foi submetida a assassinatos em massa, sequestros e escravidão sexual nas mãos do EI. "Hoje, porém, reafirmamos nossa convicção de que a fraternidade é mais durável do que o fratricídio, que a esperança é mais poderosa do que o ódio, que a paz é mais poderosa do que a guerra", disse.

Estado Islâmico

O EI invadiu Mosul em junho de 2014 e declarou um califado que se estendia desde o território do norte da Síria até o norte e oeste do Iraque. Foi da mesquita al-Nuri de Mosul que o líder do grupo, Abu Bakr al-Baghdadi, fez sua única aparição pública ao proferir um sermão na sexta-feira, conclamando todos os muçulmanos a segui-lo como "califa".

Mosul teve grande importância simbólica para o grupo terrorista e tornou-se a espinha dorsal burocrática e financeira do grupo. Foi finalmente libertado em julho de 2017, após uma batalha feroz de nove meses.

Entre 9 mil e 11 mil civis foram mortos, de acordo com uma investigação da AP na época. Al-Baghdadi foi morto em um ataque dos EUA na Síria em 2019.

O Vaticano espera que a visita marcante reúna as comunidades cristãs do país e as incentive a ficar, apesar de décadas de guerra e instabilidade. Durante a visita, Francisco transmitiu uma mensagem de tolerância inter-religiosa e fraternidade aos líderes muçulmanos, inclusive em um encontro histórico no sábado com o principal clérigo xiita do Iraque, o Grande Aiatolá Ali al-Sistani.

O reverendo Raed Kallo estava entre os poucos que retornaram a Mosul depois que o EI foi derrotado. "Voltei há três anos e meus irmãos muçulmanos me receberam após a libertação da cidade com grande hospitalidade e amor", disse ele no palco diante do pontífice.

Kallo afirmou que deixou a cidade em 10 de junho de 2014, quando o EI invadiu a cidade. Ele tinha uma paróquia de 500 famílias cristãs, a maioria das quais emigrou para o exterior. Agora, restam apenas 70 famílias. "Mas hoje vivo entre 2 milhões de muçulmanos que me chamam de Pai Raed", afirmou.

Gutayba Aagha, o chefe muçulmano do Conselho Social e Cultural Independente para as Famílias de Mosul, encorajou outros cristãos a retornarem. "Em nome do conselho, convido todos os nossos irmãos cristãos a voltar a esta, sua cidade, suas propriedades e seus negócios."

Francisco mais tarde viajará de helicóptero pelas planícies de Nínive até a pequena comunidade cristã de Qaraqosh, onde apenas uma fração das famílias retornou após fugir do ataque do EI em 2014.

Ele ouvirá testemunhos de residentes e orará na Igreja da Imaculada Conceição que se acredita ter sido incendiado pelo EI e foi restaurado nos últimos anos. Ele encerra o dia com uma missa no estádio Franso Hariri, na região semi-autônoma do norte curdo, que deve atrair até 10 mil pessoas.

Ele chegou a Irbil no início do domingo, onde foi recebido por crianças em trajes tradicionais e um vestido como um papa. Especialistas em saúde pública expressaram preocupação antes da viagem de que grandes reuniões poderiam servir como eventos de espalhamento para o novo coronavírus em um país que sofre de um surto agravado onde poucos foram vacinados.

O Vaticano disse que está tomando precauções, incluindo realizar a missa ao ar livre em um estádio que será parcialmente preenchido. Mas durante a visita, multidões se juntaram nas proximidades, com muitas pessoas sem máscaras.

O papa e os membros de sua delegação foram vacinados, mas a maioria dos iraquianos não.

O Iraque declarou vitória sobre o EI em 2017 e, embora o grupo extremista não controle mais nenhum território, ainda realiza ataques esporádicos, especialmente no norte. O país também viu uma série de recentes ataques com foguetes de milícias apoiadas pelo Irã contra alvos dos EUA, violência ligada às tensões entre Washington e Teerã.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.