GP1

Mundo

Emmanuel Macron decide mandar de volta embaixador francês para os EUA

A decisão foi tomada após conversa com o presidente Joe Biden nesta quarta-feira (22).
Por Estadão Conteúdo

O presidente francês, Emmanuel Macron, ordenou a volta do embaixador da França nos Estados Unidos para Washington na semana que vem após uma reunião com o líder americano, Joe Biden, sobre a crise diplomática após o acordo de submarinos australianos. Os dois presidentes conversaram por telefone nesta quarta-feira, 22, e um comunicado foi emitido em conjunto entre o Palácio do Elíseo e a Casa Branca.

Na sexta-feira 17, Paris havia anunciado a retirada dos embaixadores nos EUA e na Austrália, decisão sem precedentes com dois aliados históricos da França, após o cancelamento de um contrato de submarinos franceses com Canberra.

Macron e Biden afirmaram, durante a conversa, que "consultas abertas entre os aliados teriam evitado" a crise dos submarinos australianos, de acordo com um comunicado conjunto. "O presidente Biden expressou seu compromisso permanente com esta questão", diz o documento, acrescentando que os dois líderes, que se encontrarão "na Europa no final de outubro", decidiram "lançar um processo de consultas aprofundadas destinado a estabelecer as condições para garantir a confiança".

A crise

Estados Unidos, Austrália e Reino Unido anunciaram no dia 15 uma associação estratégica para contra-atacar a China, que incluia o fornecimento de submarinos nucleares americanos a Canberra, o que deixou os franceses fora do jogo. A França ficou furiosa com a decisão da Austrália de se retirar de um acordo de US$ 50 bilhões com o país.

O governo da Austrália diz que não mentiu sobre seus planos de cancelar um contrato de compra de submarinos franceses em favor de navios americanos. O ministro australiano da Defesa, Peter Dutton, disse no domingo que seu governo foi "franco, aberto e honesto" com a França sobre suas preocupações com o acordo, que estava acima do orçamento e com anos de atraso.

O acordo eleva a Austrália a um clube de elite das poucas nações que operam submarinos impulsionados por energia atômica, que podem viajar longas distâncias sem precisar reabastecer. A estratégia complementa os planos dos EUA, do Reino Unido e de outras nações aliadas para deter as reivindicações territoriais chinesas no Mar do Sul da China e a expansão do poderio naval de Pequim.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.